Biblioteca celebra o Mês de Aceitação do Autismo com exposição de livros sobre Neurodiversidade

4.4.21

Post do fórum Autistic Pride (Orgulho Autista) do Reddit mostra fotos de um display de uma biblioteca não identificada com livros sobre autismo em exposição. O Autistic Pride se descreve da seguinte forma: 

"um subreddit para todos aqueles que têm orgulho de ser autistas. Somos uma variação natural da diversidade humana e não precisamos de uma 'cura'. Nós nos concentramos no movimento pelos direitos dos autistas e nas soluções esquerdistas para melhorar a vida de todas as pessoas neurodiversas. Há também memes, criações pessoais e conversas sobre nossas experiências compartilhadas como autistas".

O Mês de Aceitação do Autismo é um evento que ocorre durante o mês de abril. Tem sido defendido por pessoas autistas, seus entes queridos e seus aliados como uma alternativa para a conscientização do autismo. O Mês de Aceitação do Autismo foi organizado pela primeira vez por Paula Durbin Westby em 2011. A ênfase na aceitação foi uma resposta em oposição ao Autism Awareness Day (Dia da Conscientização sobre o Autismo), um evento dirigido pela Autism Speaks, que é uma organização conhecida entre a comunidade autista por sua demonização do autismo e suas tentativas de silenciar os protestos das pessos autistas.


O display expositivo da biblioteca partilhado no Reddit Autism Pride é acompanhado de posters de celebridades que estão no especto do autismo, como o ator Anthony Hopkins. Em entrevistas em 2017, Hopkins disse que recebeu um diagnóstico tardio de Asperger.

Eventos e atividades educacionais voltados para o autismo podem ser realizados durante todo o mês de abril em bibliotecas, espaços de leitura, escolas, universidades e salas de aula, com o objetivo de aumentar a compreensão e aceitação das pessoas com autismo, promover o apoio mundial e inspirar um mundo mais gentil e inclusivo.


A foto acima foi partilhada por uma pessoa que trabalha como atendente em uma biblioteca (não idenficada) em um post no Reddit Autistic Pride, celebrando o Mês de Aceitação do Autismo com uma exposição de livros sobre diversos assuntos relacionados à neurodiversidade.

O Mês de Aceitação do Autismo é fortemente apoiado pela ASAN (Autistic Self Advocacy Network) - Rede de Auto-Defesa Autista, que criou um site dedicado ao mês. A data é celebrada por pessoas autistas, seus entes queridos e seus aliados em todo o mundo. (ASAN) é uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos humanos e a aceitação das pessoas autistas. É administrado por e para pessoas autistas. A ASAN defende mudanças nas políticas públicas, fornece treinamento de liderança e constrói a comunidade autista. A ong também está fortemente envolvida na educação de pessoas autistas e neurotípicas sobre os direitos de pessoas autistas e das pessoas com deficiência, e é considerado um pilar da comunidade autista. Segundo a ASAN, "a aceitação do autismo como uma condição natural na experiência humana é necessária para que o diálogo real ocorra”. 

A aceitação é uma ação: Trecho da Declaração da ASAN no 10º aniversário do Mês da Aceitação do Autismo (Autism Acceptance Month- AMM)

"O mês de aceitação do autismo foi criado por e para a comunidade autista para mudar a conversa em torno do autismo, mudando-a da linguagem estigmatizante de “consciência do autismo” que apresenta o autismo como uma ameaça a ser combatida com vigilância. Dez anos atrás, quando o mês de aceitação do autismo começou, organizações de defesa dirigidas por pessoas não autistas falaram abertamente sobre como trabalhar em direção a um futuro no qual “autismo é uma palavra para os livros de história”. Em contraste, a aceitação do autismo enfatiza que as pessoas autistas pertencem - que merecemos comunidades acolhedoras, escolas e locais de trabalho inclusivos e oportunidades iguais. Nos últimos dez anos, vimos um progresso real. Muitas organizações de autismo dirigidas por pessoas não autistas inicialmente resistiram à linguagem de “aceitação”; com o tempo, alguns deles passaram a adotá-lo. Agradecemos esta mudança. 

No entanto, a aceitação é uma ação e vai além de mudar a linguagem que usamos. A fim de realmente praticar a aceitação do autismo, as organizações autistas também devem mudar a forma como pensam sobre o autismo e como trabalham para representar as pessoas autistas. 

Trabalhar para a aceitação significa reconhecer as pessoas autistas, não apenas os membros de nossa família, como um constituinte central. Significa incluir pessoas autistas em posições de liderança significativas em toda a organização - na equipe, na liderança sênior e no conselho. Significa alinhar as prioridades de defesa e pesquisa com as prioridades da comunidade autista. Defender coisas que as pessoas autistas rotineiramente descrevem como prejudiciais, como Análise Comportamental Aplicada, institucionalização ou pesquisa sobre “cura” ou prevenção do autismo, não é aceitação do autismo. Aceitar o autismo significa respeitar os direitos e a humanidade de todas as pessoas autistas. Significa centrar as perspectivas e necessidades das pessoas autistas com deficiência intelectual, autistas não falantes e pessoas autistas com as maiores necessidades de suporte - não falando sobre eles, mas ouvindo e olhando para eles como líderes. Significa lutar para garantir que os direitos humanos universais de todas as pessoas autistas são respeitados, incluindo e especialmente os direitos das pessoas autistas com as deficiências mais significativas. E a aceitação do autismo significa reconhecer as maneiras pelas quais o humanismo e o racismo interagem em nossa sociedade, seguindo a liderança de pessoas de cor autista e fazendo do anti-racismo uma parte central do nosso trabalho. 

Em particular, enquanto a violência policial continua a ameaçar a vida de pessoas autistas negras, algumas organizações autistas se concentram no treinamento policial como uma solução; isso é ineficaz e ignora o papel que o racismo desempenha na violência policial, em vez de reduzir o poder da polícia de causar danos". Clique para ler o texto completo em inglês


Dicas de Livros sobre Autismo

Odd Girl Out: An Autistic Woman in a Neurotypical World
Autora: Laura James

* Livro em inglês, ainda sem lançamento ou tradução para o português-brasileiro


Desde a infância, Laura James sabia que era diferente, mas foi só na casa dos quarenta anos que descobriu o porquê. Jornalista de sucesso e mãe de quatro filhos, ela passou toda a vida sentindo como se estivesse executando um sistema operacional diferente daqueles ao seu redor. Este livro traça um ano em sua vida e oferece uma visão única sobre a mente autista e a jornada do diagnóstico à aceitação. Com base em experiências pessoais, pesquisas e conversas com especialistas, ela aprende como 'diferente' não precisa significar 'menos' e como nunca é tarde demais para qualquer um de nós encontrar nosso lugar no mundo. Laura explora como e por que o autismo feminino é tão subdiagnosticado e muito diferente do observado em homens e meninos e explora as dificuldades e benefícios que a neurodiversidade pode trazer.


Autora: Gail Honeyman


Conheça Eleanor Oliphant: ela luta com habilidades sociais apropriadas e tende a dizer exatamente o que está pensando. Nada está faltando em sua vida cuidadosamente planejada de evitar o contato humano desnecessário, onde os fins de semana são pontuados por pizza congelada, vodca e bate-papos por telefone com mamãe. Mas tudo muda quando Eleanor conhece Raymond, o cara de TI desajeitado e profundamente anti-higiênico de seu escritório. Quando ela e Raymond juntos salvam Sammy, um senhor idoso que morreu, os três resgatam um ao outro da vida de isolamento que viviam. Em última análise, é o grande coração de Raymond que ajudará Eleanor a encontrar a maneira de consertar seu próprio coração profundamente danificado. Se o fizer, ela aprenderá que ela também é capaz de encontrar amizade - e até mesmo amor - afinal. Inteligente, calorosa, edificante, Eleanor Oliphant está muito bem é a história de uma heroína fora do comum cuja estranheza inexpressiva e sagacidade inconsciente tornam uma jornada irresistível como ela percebe.

Autora: Sayaka Murata
* Livro em inglês, ainda sem lançamento ou tradução para o português-brasileiro


Convenience Store Woman (Mulher da loja de conveniência) é a história emocionante e surpreendente de Keiko Furukura, 36 anos, residente em Tóquio. Keiko nunca se adaptou, nem em sua família, nem na escola, mas quando aos dezoito anos começa a trabalhar na filial Hiiromachi do “Smile Mart”, ela encontra paz e propósito em sua vida. Na loja, diferente de qualquer outro lugar, ela entende as regras de interação social - muitas são descritas linha por linha no manual da loja - e ela faz o possível para copiar a forma de vestir, os maneirismos e a fala de seus colegas, desempenhando o papel de uma pessoa “normal” excelente, mais ou menos. Os gerentes vêm e vão, mas Keiko fica na loja por dezoito anos. É quase difícil dizer onde a loja termina e ela começa. Keiko está muito feliz, mas as pessoas próximas a ela, desde sua família até seus colegas de trabalho, a pressionam cada vez mais para encontrar um marido e começar uma carreira adequada, levando-a a tomar uma atitude desesperada. Uma representação brilhante de uma psique incomum e um mundo escondido da vista, "Convenience Store Woman" é um olhar irônico e perspicaz sobre a cultura de trabalho contemporânea e as pressões para se conformar, bem como um retrato encantador e completamente novo de uma heroína inesquecível.

Autor: Steve Silbermn
* Livro em inglês, ainda sem lançamento ou tradução para o português-brasileiro


Voltando aos primeiros dias da pesquisa sobre autismo e narrando a jornada corajosa e solitária de pessoas autistas e suas famílias ao longo das décadas, Silberman fornece soluções há muito procuradas para o quebra-cabeça do autismo, enquanto mapeia um caminho para nossa sociedade em direção a um mundo mais humano, no qual as pessoas com diferenças de aprendizagem e aqueles que as amam têm acesso aos recursos de que precisam para viver vidas mais felizes, saudáveis, seguras e significativas.
 
Ao longo do caminho, ele revela a história não contada de Hans Asperger, o pai da síndrome de Asperger, cujos "pequenos professores" foram alvos do experimento de engenharia social mais sombrio da história humana; expõe a campanha secreta do psiquiatra infantil Leo Kanner para suprimir o conhecimento do espectro do autismo por cinquenta anos; e lança luz sobre o movimento crescente de ativistas da "neurodiversidade" em busca de respeito, apoio, inovação tecnológica, acomodações no local de trabalho e na educação e o direito à autodeterminação para aqueles com diferenças cognitivas.


Texto e tradução de Daniele Carneiro (Magnolia Cartonera | Blog Bibliotecas do Brasil)
Livros indicados por Juliano Rocha (Magnolia Cartonera | Blog Bibliotecas do Brasil)
Fotos da Biblioteca: Autistic Pride Reddit
Informações: Autism Wiki

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe