Igreja do Livro Transformador, Curitiba/PR

13.11.13

Em 2010 Emanuela Siqueira estava concluindo o curso de Letras e estudando há algum tempo o livro "Eles eram muitos cavalos" do autor Luiz Ruffato. A estudante acabou entrando em contato com o autor e começaram a conversar. No fim daquele mesmo ano ele estaria em Curitiba numa mesa da Bienal, Emanuela que é de Chapecó, cidade do interior de Santa Catarina, ainda não morava em Curitiba e infelizmente não pode participar da mesa, mas um amigo gravou a fala e passou para ela.

Emanuela Siqueira e Luiz Rufatto, parceria entre leitora e escritor resultou na Igreja do Livro Transformador

"O título da fala era 'Literatura: Um ato de resistência?' e foi uma conversa linda. Lá pelas tantas o Luiz diz 'olha, minha vida foi completamente modificada pela literatura. Eu sou a favor de existir uma Igreja. A Igreja do Livro Transformador', lembro que dei um pause no áudio e surtei. Eu pensei 'É ISSO, PRECISO FAZER ALGO COM ISSO!' Aí o tempo foi passando, mantive contato com o Luiz, me mudei para a Curitiba, comecei um site de cultura com um amigo e lá por junho ou julho de 2011 o Luiz veio para Biblioteca Pública do Paraná no programa 'Um escritor na Biblioteca'. Eu já estava com a ideia pulsando na cabeça. Conhecia um pessoal que trabalhava com audiovisual no YouTube e chamei para ajudar. Iríamos fazer algo simples, gravar o Luiz falando sobre a Igreja e chamando a galera a gravar seu próprio depoimento".

Emanuela é apaixonada por audiovisual e achou que essa era uma forma bacana de chamar a atenção de todos os tipos de pessoas. "Foi uma experiência incrível. Luiz topou na hora e passamos uma manhã inteira filmando, conversando e tendo ideias e aí nasceu a ideia da Igreja do Livro Transformador como um projeto que pudesse propagar o amor pela leitura na internet. Criamos a fanpage no Facebook e um site, o sucesso foi absoluto, muitas pessoas empolgadas, gravamos mais alguns vídeos e aí fui chamada para falar do projeto no programa Sem Censura da TV Brasil, foi estranho e divertido, deu uma baita visibilidade já que o Miguel Falabella elogiou o amor aos livros, lá ao vivo. Claro que recebemos algumas críticas por usar o nome 'igreja' e enfim, em todo o meio tem gente reclamando de alguma coisa, né"?


Mas alguns problemas surgiram quando o menino que ajudava a Emanuela a filmar e editar teve que partir para outros projetos. Não é fácil conseguir voluntários nessas áreas que exigem criatividade e o retorno pode demorar às vezes. "O bacana é que na internet as pessoas continuavam dando seus testemunhos em blogs, áudio e vídeo. Como tu deve ter percebido, no último ano aumentou o volume de vlogs e blogs literários e isso foi muito bacana para projetos que também funcionem online".


Para a Emanuela ficou cada vez mais difícil filmar e editar. Ela gravou um depoimento do escritor Daniel Galera e em 2012 foi convida para ir ao Londrix, Festival Literário de Londrina/PR. "Foi muito legal, gravamos depoimentos da Márcia Tiburi, Marcelino Freire, Domingos Pellegrini e mais outras pessoas legais, mas e as edições? Esse material ainda está parado e estou começando a estudar como fazer as edições. Acabei ficando sozinha no projeto e passei por um período um pouco problemático, mas a ideia é voltar logo, 'recrutar' pessoas bacanas e continuar dando vida às ideias que fervilham dentro dessa cabecinha".


A Biblioteca Livre do Shopping Omar surgiu quando o rapaz que fazia o projeto com a Emanuela estava desenvolvendo o site do shopping e ela descobriu que havia uma biblioteca colaborativa por lá, mas que não funcionava muito. "Aquela velha história, no fim das contas acabava enchendo de entulho que as pessoas não querem mais em casa. Raramente aparece uma doação de 'coração'. Aí fiquei com vontade de pensar um projeto livre, já acompanhava as movimentações do gênero no exterior e achava bem bacana. Fiz uma proposta para eles de reformularmos a biblioteca e torná-la exclusiva de incentivo à leitura de literatura. O pessoal foi muito receptivo. Dedicaram um espaço exclusivo, compraram uma estante com rodinhas e deram um pontapé inicial de 500 reais para comprar alguns livros usados e começarmos as campanhas de troca de livros. E bem, estamos lá há um ano".

Recursos gráficos da Biblioteca Livre do Omar



Em abril desse ano, com a ajuda de uma amiga, Manu organizou o I Recicleitura, uma feira de trocas de livros para fazer circular os livros de áreas variadas que são recebidos na Biblioteca Livre do Omar, alimentar o acervo de literatura, trocar ideias com leitores e propiciar conversas bacanas. Foram 4 dias muito legais e Manu pretende fazer uma segunda edição do evento em 2014. "Sou muito empolgada, tenho muitas ideias mas convenhamos que sozinhos, tendo nossos trabalhos, as coisas ficam mais complicadas, né"?


"Eu acredito que livros devem estar em todos os lugares, se livro se tornar algo comum, será comum também ler. Todos os lugares deveriam ter livros, então não me importo onde seja, contanto que eles estejam ali. A Igreja do Livro surgiu para criar algumas pontes de diálogo dentro da internet, tornar o assunto 'leitura' menos sacralizado, do tipo “somente determinado tipo de pessoas lê. A ideia inicial dos vídeos era justamente pessoas conhecidas de algum meio falarem de leitor para leitor com aquela 'intimidade' sobre o livro que mudou suas vidas. Aquele lance de troca mesmo. Lembro que quando fui ao programa da TV Brasil, o Falabella contou que a mãe dele trazia livros, era professora e etc. No outro dia, quando acessei a fanpage muitas pessoas mandaram mensagens dizendo que nem imaginavam aquilo dele, que elas queriam saber quais livros ele gostava porque elas queriam ler"!


A Manu acredita que várias mídias podem juntas ajudar a melhorar o conhecimento das pessoas. "Eu sou de uma geração que cresceu com internet e videogame. Li muitos livros excelentes por conta de games instigadores, outros livros me levaram a filmes, quadrinhos e assim foi. Não existe algo certo, existe oportunidades de conhecer um pouco de tudo, deixar a imaginação fluir e isso os livros fazem muito bem, né"?
Quanto ao futuro, Emanuela planeja: "estou precisando me movimentar, criar e fazer algo realmente bacana. É sempre muito emocionante para mim falar dos livros, pois em todos os momentos que mais precisei um deles sabia o que me dizer".



Quem quiser colaborar com a Emanuela Siqueira para editar os vídeos da igreja do Livro Transformador pode entrar em contato através do email contato@igrejadolivro.com.br
A Biblioteca Colaborativa do Shopping Omar aceita doações de livros de literatura.
Telefone: (041) 3016-3400 Email: contato@shoppingomar.com.br
Entrada pela Rua Comendador Araújo, 268 - Centro ou pela Av. Vicente Machado, 285 - Centro Curitiba - PR, CEP: 80420-010
Atendimento: De Segunda a Sexta-feira das 9:30 às 20:00
Sábados das 9:30 às 18:00
Facebook de Luiz Ruffato: https://www.facebook.com/luizruffato

Leia mais:



Bibliotecas do Brasil - Daniele Carneiro e Juliano Rocha
contato@bibliotecasdobrasil.com
Fotos: Emanuela Siqueira Igreja do Livro Transformador

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe