O que seus calçados dizem sobre você? A artista Chiharu Shiota responde

Uma sensível instalação com os objetos e as memórias que eles carregam.

Montanha de livros doados para a Minibiblioteca do Sossego!

Recebemos uma grande quantidade de livros de literatura, história, arte e poesia.

Bibliotecas do Brasil Inbox #22

Essa newsletter tem textos que falam sobre um novo olhar sobre a acessibilidade nas bibliotecas e sobre como as bibliotecas têm poder.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Bibliotecas do Brasil Inbox #22


A newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox #22 abordou temas que consideramos de extrema importância. Para começar, o texto "Um novo olhar sobre a acessibilidade nas bibliotecas" de Daniele Carneiro sobre como é a relação entre as bibliotecas públicas e os moradores de rua nos Estados Unidos, e o que podemos trazer de ideias para serem aproveitadas nessa área pelas bibliotecas brasileiras. Juliano Rocha com o texto "As bibliotecas têm poder" falou sobre as funções, as responsabilidades, e a necessidade de as bibliotecas públicas e particulares acompanharem as ideias de seu tempo, para não se tornarem instituições ultrapassadas e fechadas para o novo, e também para os leitores.

Além disso trouxemos o link de uma entrevista com o escritor Ferréz para refletirmos nossa relação com a literatura, com as bibliotecas, com a política, com a violência, e principalmente com as oportunidades que somos capazes de gerar para outras pessoas se encontrarem. Também teve o selinho e dica da semana, indicamos páginas que seguimos e indicamos no Facebook,
os posts mais procurados da semana e a agenda de eventos.

O que é a Bibliotecas do Brasil Inbox?
Toda semana, às quartas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez.
Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora: http://eepurl.com/R2rGf

Texto e arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
Fotos: Greensboro Public LibraryMarlborough Learning Commons
contato@bibliotecasdobrasil.com

Piracaia na Leitura espalha minibibliotecas no interior de São Paulo


Duas minibibliotecas em formato de casinhas foram montadas na cidade de Piracaia, no interior de São Paulo. A primeira minibiblioteca fica na Av. Doutor Cândido Rodrigues, no ponto de ônibus em frente ao posto de saúde e à cadeia pública. A segunda fica na Rodovia Jan Antonin Bata, na rotatória de entrada e saída da cidade. Livros livres ficam à disposição dos leitores dentro de cada uma delas.
O projeto Piracaia na Leitura começou oficialmente com a inauguração da primeira casinha de livros no ponto de ônibus do Posto de Saúde da cidade no dia 16 de junho de 2014. Mas para Amanda Leal de Oliveira e seu esposo Marco Maida, coordenadores do projeto, o Piracaia na Leitura começou muito antes. Amanda contou ao blog Bibliotecas do Brasil como tudo começou:
"Eu e meu marido nos mudamos para Piracaia há um ano e desde antes de firmarmos residência aqui, identificamos na cidade os pontos de ônibus com espaços bem cuidados e bonitos, eles são cobertos com telhas, possuem colunas de madeira, muros de pedra e uma primavera plantada ao lado. O Marco, meu marido, que gosta muito de plantas, pensou em apresentar um projeto para a prefeitura de cuidado com as plantas dos pontos de ônibus, pois algumas dessas primaveras estavam crescendo muito tortas ou até mesmo morrendo. Sua ideia era a de envolver os idosos e/ou jovens da cidade que gostassem de jardinagem para cuidarem do paisagismo do entorno dos pontos de ônibus". 

Amanda, que trabalha com mediação de leitura e bibliotecas comunitárias há mais de 15 anos, pensou em acrescentar ao projeto uma casinha de livros, ampliando o acesso à leitura para a população que usa o transporte público. Ela e Marco apresentaram a ideia para a Secretária do Meio Ambiente de Piracaia e para a Secretária de Cultura, que apoiaram a iniciativa e levaram o casal até a prefeita, que aceitou fazer as primeiras casinhas de livros. Em janeiro de 2014, o casal começou a espalhar a notícia sobre o projeto e a arrecadar livros entre os amigos e conhecidos. Foram arrecadados mais de 500 livros em poucos meses. A Fundação Itaú Social - Programa Itaú Criança doou 300 livros infantis e juvenis. A prefeitura cedeu uma sala para que eles pudessem receber e organizar os livros.

Amanda Leal de Oliveira e seu marido Marco Maida

Amanda nos contou mais sobre a iniciativa: "Fizemos um levantamento de cinco sugestões de nome para o projeto e todos os alunos da rede municipal e particular de Piracaia participaram de uma eleição que escolheu Piracaia Na Leitura. A equipe de marcenaria municipal entregou a primeira casinha, feita artesanalmente com sobras de madeira, e nós, em companhia de um amigo marceneiro, lixamos, pintamos e instalamos em um ponto de ônibus bem movimentado da cidade, em frente ao posto de saúde, à cadeia pública e próximo de uma escola municipal".

Livros livres e colaboração coletiva

As duas minibibliotecas montadas pelo projeto são dedicadas totalmente ao empréstimo livre. Há uma apresentação e explicação visual do projeto em cada uma das minibibliotecas com as orientações de utilização. Em cada livro há um carimbo que diz o seguinte: Piracaia na Leitura - pegue, caia na leitura, devolva. E há também um texto dizendo que os livros pertencem ao acervo do projeto, que podem ser emprestados e depois devolvidos em qualquer ponto de ônibus onde haja a minibiblioteca da iniciativa. Três novas minibibliotecas estão sendo feitas por iniciativa de moradores de dois bairros de Piracaia.

Amanda Leal contou que o objetivo do Piracaia na Leitura é ampliar o acesso à diversidade da leitura e promover a apropriação da cultura escrita: "Gostamos de uma frase do professor francês Daniel Pennac - Como Um Romance, Editora Rocco, que diz que não somos obrigados a gostar da leitura, podemos excluí-la de nossas preferências, mas o que não podemos é ser excluídos por ela. Então, inicialmente, nossa ideia é apresentar a diversidade da escrita - temos histórias em quadrinhos, romance, crônicas, receitas, dicas de saúde, etc. O leitor pode gostar de uma coisa e não gostar de outra e acreditamos ser importante, portanto, que ele possa conhecer a diversidade para se descobrir leitor".  

A primeira leitora da minibiblioteca livre que fica no ponto de ônibus Santo Antônio

As pessoas estão ajudando a manter a casinha e os livros arrumados dentro dela. Todas as manhãs Amanda e Marco passam na minibiblioteca para tirar as propagandas e panfletos que eventualmente alguém deixa por lá. Repetindo a visita à noite, eles verificam se ela está fechada, para que os livros não peguem vento ou chuva. Montar bibliotecas livres é uma ação de amor, portanto esses pequenos cuidados com ela vêm naturalmente por parte de quem criou e por quem empresta seus livros livres.

Amanda explica: "se o problema da falta de acesso é uma realidade e precisamos enfrentá-la, temos em nossa história uma questão que é muito importante, uma trajetória com a leitura de muita dificuldade e restrição, tornando nossa relação com a escrita marcada por muita obrigatoriedade, subordinação ao livro e à cultura escrita. Gostamos dos estudos de outro professor, Edmir Perrotti (ECA-USP) que associa a nossa relação atual com a leitura com a colonização: há 500 anos os portugueses chegaram e nos trouxeram a cultura escrita - desse modo como a concebemos - e disseram aos indígenas: 'esqueçam tudo o que vocês sabem, a verdadeira cultura está nestes livros'. E se repararmos bem, vemos que até hoje carregamos um pouco as marcas dessa história, a cultura escrita se coloca  - e é colocada - de forma superior  às outras manifestações culturais. Isso inibe e afasta as pessoas da leitura".

Inauguração da segunda minibiblioteca do projeto Piracaia na Leitura

"Nosso objetivo com este projeto é também desmistificar a escrita, no sentido de colocá-la em relação horizontal com as pessoas, tal como afirmava Paulo Freire: leitura e mundo integrados, leituramundo. O que você gosta de ler? O que você quer ler? Como quer ler? Onde? Quando? São questões bem pessoais e que cabe ao leitor escolher. Os livros nos pontos de ônibus permitem que cada um escolha e possa construir uma relação mais pessoal com a escrita. O fato de não ter ninguém cobrando nem a leitura e nem a devolução dos livros, pode favorecer e fortalecer uma relação de mais autonomia. 
Então, nossa ideia é também reconstruir nossa relação com a escrita, criando situações mais prazerosas e livres. "


Recepção por parte dos leitores e união através dos livros

Segundo Amanda, a recepção dos leitores foi excelente. Havia o medo por parte de algumas pessoas de que houvesse depredação da casinha e de que os livros não fossem devolvidos, mas nada disso ocorreu. As pessoas têm devolvido os livros e comentado o que estão lendo no Facebook e pessoalmente também. As pessoas estão ajudando a manter a casinha e os livros arrumados dentro dela.
"Temos proposto ações de mediação, lendo e indicando livros no ponto e fazendo roda de histórias em lugares da cidade. Como já disse outro professor, Pierre Bourdieu, 'a distância física não supera a distância cultural'. Os livros estão próximos e são gratuitos, mas, mesmo assim, tem muita gente que não se aproxima por causa de uma relação histórica e cultural com os livros. Claro que, por enquanto, com um mês de projeto, tem saído muito mais livros do que retornado. Mas acreditamos que isso seja normal. Nem todo mundo tem tempo de ler muito, depois, de passar de novo naquele ponto com o livro na bolsa. Então achamos normal que a maioria dos livros esteja circulando e não de volta na casinha. Estamos tranquilos com isso. As pessoas mais próximas comentam que só devolverão os livros que pegaram daqui há dois meses! É normal você ficar com o livro por um tempo, lendo aos poucos. Os livros infantis circulam mais. Eles entram e saem da casinha com maior frequência. E talvez alguns livros a gente não volte a ver mesmo, acho que faz parte também. Mas, além de ser a minoria, torcemos para que eles estejam sendo lidos, circulando entre outros leitores por aí", nos contou Amanda.


Na primeira roda de contação de histórias que o Piracaia na Leitura realizou no Parque Ecológico da cidade, mais de 40 pessoas compareceram ao evento.

Todo mundo quer participar

Uma escola municipal entrou em contato com o Piracaia na Leitura querendo dicas de livros para conversar sobre bullying. Outro projeto da cidade procurou livros sobre meio-ambiente. Muitas pessoas têm ido conhecer pessoalmente Amanda e Marco, querendo compartilhar o que leram, o que realizam nos bairros e nas escolas. Eles tem recebido convites para fazer roda de contação de histórias nos bairros, e as doações de livros também não param: "Cada vez mais gente querendo participar". 


Doações de livros


O Piracaia na Leitura está recebendo doações de livros de literatura infantil, juvenil e adulta, gibis e revistas em quadrinhos, livros de receita e livros de referência (para pesquisa e informativos). A pessoa que se interessar em fazer uma doação pode entregar pessoalmente na sala do Piracaia na Leitura na prefeitura da cidade, ou enviar diretamente pelos Correios:
CX. POSTAL 118 - CEP: 12.970-000 Piracaia/SP.
Siga no Facebook: https://www.facebook.com/piracaianaleitura

Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
contato@bibliotecasdobrasil.com
Fotos: Piracaia na Leitura

Leia mais:

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

A Cartonera Bibliotecas do Brasil segue viagem

Nas últimas semanas a Cartonera Bibliotecas do Brasil seguiu viagem para diversos destinos. Pessoas de várias partes do Brasil acreditaram no nosso trabalho e nos ajudaram a divulgá-la, compraram exemplares para ter em casa, para presentear seus amigos e familiares, e já encomendaram novas cartoneras. Tivemos compradoras em Araucária e Curitiba, e enviamos cartoneras para Gravataí e São Leopoldo no Rio Grande do Sul, para o Rio de Janeiro, Caiacó no Rio Grande do Norte e Maceió em Alagoas. Nós enviamos as cartoneras pelos Correios com o mesmo valor de frete para todo o Brasil. Aqui estão algumas fotos tiradas pelas leitoras que adquiriram o nosso primeiro livro independente.

Gravataí, Rio Grande do Sul
Fotos da Leticia Fontoura dos projetos Leitura no Varal, Ronda da Fraternidade e G-MÃO.


A Leticia escreveu: "Ontem chegou pelos correio a melhor e mais linda compra que fiz este ano - meu livro-arte feito pelos idealizadores do Bibliotecas do Brasil. O livro é feito à mão, com capa do artista plástico Juliano Rocha, com textos maravilhosos da Daniele Carneiro e do Juliano Rocha. Um livro onde foi utilizada a técnica cartonera, que conhecemos juntos aqui na FestiPoa Literária. Os livros cartoneros nasceram na Argentina em meio à uma crise econômica, e como a necessidade é a mãe da invenção, escritores e poetas independentes começaram a produzir livros impressos em pequenas gráficas e com as capas feitas de papelão, normalmente reciclado, pintadas uma a uma. Cartoneras são as mulheres que recolhem recicláveis e principalmente papelão nas ruas de Buenos Aires. O trabalho do Bibliotecas do Brasil é louvável e pode ser adquirido pelo email: contato@bibliotecasdobrasil.com, com envio pelo correio. É este tipo de atitude totalmente independente que devemos apoiar e reverenciar. O preço é simbólico, onde eles praticamente apenas repõem os custos com a produção. Que todos saibam valorizar, apoiar e que os amigos ao redor desta dupla incrível lhes abram os braços para que a venda desta obra de arte seja um sucesso, para o nosso bem e para o bem do mundo da literatura, pois este é um dos mais efetivos projetos de incentivo à leitura, à conscientização cultural e sócio-ambiental que conheço".




Araucária, Paraná

A Jacqueline Carteri do Compartilhando Leituras comprou duas cartoneras, uma para ela e outra para presentear sua amiga Simone. Fotos da Jacqueline e da Simone.



A Jacqueline escreveu: "Olha o que chegou! Amei! Simone Nunes a sua está aqui! Obrigada Daniele Carneiro e Juliano Rocha pelo cuidado, pelo carinho de sempre e por compartilhar esse prazer de misturar arte e literatura! Parabéns, sucesso e que esse seja o primeiro de muitos outros trabalhos!"


A Jacqueline publicou essas palavras depois de ler: "Acabei de ler a minha Cartonera Bibliotecas do Brasil e conclusão: estou com uma lista enorme de livros que quero ler e filmes que quero ver, pois a Daniele Carneiro e o Juliano Rocha escreveram de forma tão atraente sobre tantas coisas que minha vontade foi aguçada! Aff! Eles fazem isso tão bem... Da mesma forma que compartilham livros, compartilham também desejos! Lindo trabalho e para quem ainda não tem a sua, recomendo!"


A Simone Nunes que recebeu um exemplar de presente da Jacqueline gostou tanto que até compartilhou a foto da sua cartonera e escreveu: "Enfim, ganhei minha cartonera! Obrigada amiga pelo presente! Adorei!!!"


Em Maceió, Alagoas

Essa cartonera seguiu viagem para Maceió no Alagoas, curtir o mar azul, o sol e um horizonte maravilhoso. É vibrante para nós poder enviar o resultado de nosso trabalho, linhas que dizem muito sobre o que temos feito com o blog Bibliotecas do Brasil para uma das mais belas cidades do nordeste. A Vanessa Omena da Biblioteca Comunitária Bititinga escreveu: "Recebi esta tarde o livro cartonero Bibliotecas do Brasil. Um trabalho artístico que aproveita o papelão como capa do livro e com um recheio delicioso. É ler com prazer!"



Vanessa: "Mais um livro especial para a Biblioteca Comunitária feito pela Bibliotecas do Brasil. Muito bacana o trabalho deles."


A Cartonera Bibliotecas do Brasil é um livro independente, artesanal e único, pois cada livro possui uma capa própria pintada pelo artista plástico e editor do blog Juliano Rocha. Dentro dele você encontrará textos dos editores do blog Daniele Carneiro e Juliano sobre os mais diversos temas culturais abordados com um olhar pessoal de quem acompanha a disseminação da leitura de forma livre e independente, junto com ilustrações feitas exclusivamente para o livro. Queremos que elas viajem para todos os cantos do Brasil e quem sabe do mundo, para mostrar que a autopublicação é possível e que o método cartonero é uma maneira excelente e acessível para aumentar o número de livros de escritores independentes. Caso queria conhecer mais e pedir o seu acesse esse link: Cartonera Bibliotecas do Brasil.

Leia mais:

Minibiblioteca do Sossego também recebe doações durante a semana

Essas fotos foram enviadas pela Melissa Amatuzzi Saltori que tem um consultório próximo ao Parque Gomm e frequenta diariamente a Minibiblioteca do Sossego. A Melissa faz parte de uma corrente solidária de pessoas que ajudam a manter a Minibiblioteca organizada durante a semana e aproveitam a tranquilidade do Parque Gomm. Os leitores também doam e emprestam livros livremente na primeira minibiblioteca independente montada em um espaço público, ela está aberta 24 horas por dia, 7 dias por semana em um parque de Curitiba há 7 meses, numa ação conjunta do blog Bibliotecas do Brasil e do movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm.

Minibiblioteca do Sossego na quarta-feira, dia 10/09/2014.

A Melissa tirou essa foto da Minibiblioteca do Sossego e nos contou: "Tudo arrumadinho. Amanhã coloco mais alguns. Tenho visto alguns títulos inglês. Será que sai? Vou experimentar colocar alguns".

Um dia desses quando fomos levar para a Minibiblioteca as doações de livros que recebemos, um rapaz que trabalha em uma loja ali perto do Parque Gomm nos disse que ele não tinha o hábito da leitura, mas quando viu que tinha um livro em inglês no meio dos exemplares, achou muito legal, pois não sabia que também eram compartilhados livros em inglês e disse que era uma oportunidade para melhorar o idioma. Como a gente tinha levado mais um livro em inglês, ele emprestou dois exemplares. A Minibiblioteca sempre nos presenteia com essas cenas em que as pessoas encontram aquele livro que tem tudo a ver com elas ou com o período que estão passando em suas vidas.

A Minibiblioteca do Sossego hoje, quinta-feira, 11/09/2014, repleta de gibis

Hoje de tarde a Melissa enviou mais uma foto da Minibiblioteca do Sossego, ela aproveitou sua passadinha diária no Parque Gomm e deixou a mini cheia de gibis! Os gibis são a leitura mais difícil de conseguir, mas nas últimas semanas temos encontrado pessoas solidárias, que estão se desapegando de seus gibis, e levando para partilhar na Minibiblioteca do Sossego. Ela é uma realização muito bem sucedida, que no último dia 08/09 completou seus 7 meses de existência. 
A Minibiblioteca do Sossego é livre para empréstimo e livre para doações.  As pequenas doações, espontâneas, anônimas e solidárias a mantém funcionando.

Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:


terça-feira, 9 de setembro de 2014

O que seus calçados dizem sobre você? A artista Chiharu Shiota responde.


A artista japonesa Chiharu Shiota gosta de falar das emoções humanas em suas instalações, mas dá voz a esses sentimentos através dos objetos que usamos diariamente. Ela conseguiu trazer uma luz para um objeto tão pisado e pouco lembrado - a não ser que aperte os dedos ou o calcanhar - que são os calçados que usamos em sua instalação que atualmente está em exposição na Arthur M. Sackler Gallery em Washington, D.C. Felizmente os curadores da galeria pensaram em nós que não podemos visitar a capital americana no momento e colocaram online a instalação.
A técnica utilizada para mostrar a instalação é a mesma do Google Maps, portanto você pode dar zoom, clicar nos calçados e conhecer o que seus donos têm a dizer sobre o tempo que passaram com eles. É uma experiência reveladora, às vezes emocionante e que traz uma consciência da passagem do tempo e das memórias que carregamos nos objetos de uso diário, principalmente naqueles que usamos no dia a dia.
Os calçados foram doados por japoneses que atenderam a um pedido da artista e deixaram pequenos bilhetes à mão descrevendo suas experiência enquanto os calçavam. Vale a pena dedicar um tempo lendo as mensagens e perceber como geramos memórias, mesmo nos menores dos objetos.


Visite a instalação nesse link.
Site oficial da artista: http://www.chiharu-shiota.com/en/
Fotos do site da artista e The Smithsonian Institution.

Juliano Rocha
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:
  • Junior Fritz Jacquet - um artista da reciclagem
  • Monstros de palha japoneses
  • E a tela foi ao chão
  • domingo, 7 de setembro de 2014

    Montanha de livros doados para a Minibiblioteca do Sossego!


    O Luca Rischbieter da Casa Labirinto e grande incentivador da Minibiblioteca do Sossego nos chamou no sábado (30/08/2014) para pegarmos uma grande doação de livros feita pela Pingo Richter. A Pingo nos contou que está passando por um processo de desapego dos livros de sua biblioteca e quis destinar essa doação para a Minibiblioteca do Sossego e demais bibliotecas com as quais colaboramos. Essa doação foi especial, nela havia muitos livros de arte, de história, de literatura e poesia. Eles serão partilhados com a Biblioteca Livre da Santuário Adventure no bairro Xaxim, que foi montada em 2013 e continua ativa, e com a Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa de Morretes, projetos que mantemos ativos desde 2011. Mas a grande maioria será disponibilizada na própria Minibiblioteca do Sossego nas próximas semanas.


    Os gibis foram doados pelo Nando Matos, o primeiríssimo comprador de uma das nossas cartoneras, e que sempre está presente dando força, doando livros e ajudando a divulgar os eventos do movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm e os eventos na Minibiblioteca do Sossego.


    Uma tarde maravilhosa conversando sobre livros, literatura, autores, viagens e pessoas na Casa Labirinto. Agradecemos imensamente à doação da Pingo Richter, eles serão muito bem apreciados, compartilhados e perpetuados. Alguns inclusive já foram depositados no interior da Minibiblioteca do Sossego.


    Esse livro é  uma coletânea de contos do autor F. Scott Fitzgerald em inglês, uma edição de 1970. que foi doado para a minibiblioteca. Também está disponível para empréstimo Verdade Tropical de Caetano Veloso.

    Juliano aproveitando o fim de tarde para fazer uma leitura no Parque Gomm.


    Livros maravilhosos disponíveis para empréstimo na Minibiblioteca do Sossego. Aproveite para visitá-la, emprestar livros livremente, ou então fazer uma doação.


    Todas as manhãs de sábado o movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm promove eventos musicais, artísticos e de literatura no espaço. Quem quiser também se dedicar a cultivar a horta comunitária que foi cultivada coletivamente. O objetivo primordial da Minibiblioteca do Sossego é ser um espaço literário de incentivo à leitura por prazer, onde é possível ter facilidade de acesso aos livros, um espaço de convivência e de colaboração coletiva, tanto quanto o Parque Gomm. Ela precisa da solidariedade e da doação das pessoas que frequentam o Gomm para continuar a existir, ter seu acervo sempre renovado, manter-se organizada e continuar com a sua função fundamental que é a de incentivar a leitura sempre.

    Doação memorável para a Minibiblioteca do Sossego. 
    Foto: Salvemos o Bosque da Casa Gomm

    Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    Leia mais:

    quinta-feira, 4 de setembro de 2014

    Bibliotecas do Brasil Inbox #21

    Esta semana enviamos a newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox pela primeira vez no novo dia que ela será enviada: quarta-feira. Para inaugurar esta nova fase, elaboramos uma newsletter bem intimista, onde a lembrança tem um grande papel nos textos, a Daniele demonstra a importância histórica dos diários na preservação da memória e na compreensão do pensamento das sociedades que os produziram. Já o Juliano mergulhou no mar e de lá trouxe suas lembranças das águas que permearam sua vida, bem como filmes que conversaram com essa presença constante da água em nossas vidas, além de selinho da semana, escolhemos um projeto importante para conhecer, passada pelo que aconteceu semana passada no blog e a agenda cultural bem movimentada.

    O que é a Bibliotecas do Brasil Inbox?
    Toda semana, às quartas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez.
    Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora: http://eepurl.com/R2rGf.

    Texto e arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    Fotos: Daniele Carneiro e Ana Teresa Barboza
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    quarta-feira, 3 de setembro de 2014

    Doações de livros e limpeza na Minibiblioteca do Sossego


    A tarde de sábado, 30/08/2014 foi de limpeza na Minibiblioteca do Sossego do Parque Gomm em Curitiba. Com o passar dos meses o telhadinho e a cortina acabaram acumulando poeira e alguns detritos das árvores e dos passarinhos, então demos uma atenção especial para ela. Livros novos foram adicionados ao seu acervo através de doações. A Minibiblioteca foi montada para incentivar a leitura e facilitar o acesso ao conhecimento. O objetivo primordial da Minibiblioteca do Sossego é ser um espaço literário de incentivo à leitura por prazer, onde é possível ter facilidade de acesso aos livros, um espaço de convivência e de colaboração coletiva tanto quanto o Parque Gomm. Ela precisa da solidariedade e da doação das pessoas que frequentam o Gomm para continuar a existir, ter seu acervo sempre renovado, e continuar com a sua função fundamental que é a de incentivar a leitura sempre.


    Precisamos ter em mente que a Minibiblioteca do Sossego é frequentada também por crianças e isso deve ser levado em conta em todas as interações feitas com ela. A Minibiblioteca do Sossego é uma iniciativa voluntária e independente do blog Bibliotecas do Brasil numa ação conjunta com o movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm. Ela é de todos os bosquímanos e todos podem colaborar para que ela continue a exercer a sua função de facilitar o acesso aos livros e à leitura.


    Limpeza na Minibiblioteca do Sossego feita por Juliano Rocha. A Minibiblioteca do Sossego está montada no Parque Gomm há 7 meses.


    A cortina da Minibiblioteca do Sossego estava empoeirada e o Juliano fez uma limpeza nela para que os livros sejam melhor visualizados. É a primeira minibiblioteca livre a funcionar em Curitiba em um parque público em um espaço aberto, funcionando 24 horas por dia, 7 dias por semana. A função primordial da Minibiblioteca do Sossego é a de facilitar o acesso a materiais impressos de leitura como livros de literatura e gibis, mas de vez em quando temos surpresas bacanas e encontramos fitas K7 e audiobooks dentro dela, compartilhados por pessoas que frequentam o parque sempre. A Minibiblioteca do Sossego é uma grande vitória da prática e da filosofia de deixar os livros livres para outros leitores.


    Deixamos para fazer a limpeza no fim da tarde para fazê-la com mais tranquilidade, e encontramos esse menininho muito fofo, emprestando livros da Minibiblioteca do Sossego com sua mãe. Que delícia ter essa opção literária no final de uma tarde de sábado, desejamos que cada vez mais pessoas visitem o Parque Gomm com intenções de emprestar livros e fazer uma boa leitura para espairecer a mente.


    Que delícia e que grande descoberta encontrar assim, uma biblioteca aberta no final da tarde de um sábado, e ainda poder emprestar livros e ser feliz. Que cada vez mais pessoas procurem o Parque Gomm na intenção de ler e compartilhar leituras. A Minibiblioteca do Sossego foi montada justamente para isso: acessibilidade facilitada aos livros. O horário independente é apenas um temperinho a mais da Minibiblioteca!


    Além da limpeza e da manutenção feita na Minibiblioteca, ela recebeu livros novos para o seu acervo circulante. Toda doação é importante e cada livro reflete a intenção de seus doadores. Que sejamos capazes de doar cada vez mais, generosamente, sempre lembrando que aquele conhecimento que adquirimos será perpetuado através de novos leitores. Por isso a doação é tão importante.


    A arte do desapego. Doamos o livro Chatô, o Rei do Brasil do Fernando Morais para a Minibiblioteca do Sossego.



    Doações de livros chegando para a Minibiblioteca do Sossego


    Alguém presenteou a Minibiblioteca do Sossego com um exemplar infanto-juvenil de Os Lusíadas de Luís de Camões. Que doação espetacular! Agradecemos imensamente a generosidade. Que esse exemplar encontre logo novos leitores e continue a circular pelas mãos de muitos outros.


    Os gibis fazem a alegria de pessoas das mais variadas idades, por isso a doação deles é importante para a Minibiblioteca. Obrigada à todos que doam e fazem os gibis chegarem à novos leitores.


    Fotos: Daniele Carneiro e Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    Leia mais: