Junior Fritz Jacquet - um artista da reciclagem

O papelão transformado em arte.

2 anos de Bibliotecas do Brasil!

Nesses período conhecemos pessoas espetaculares que acreditam no poder da mudança que o acesso aos livros pode ter na vida de inúmeras comunidades.

Bibliotecas do Brasil Inbox #20

Essa newsletter tem textos que falam sobre como a empatia salvou a humanidade e como pequenas doações podem melhorar a vida de quem mora na rua.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Junior Fritz Jacquet - um artista da reciclagem

O material escolhido para realizar as obras diz muito sobre o artista que as produz. No caso do artista haitiano radicado na França Junior Fritz Jacquet, mostra como a reciclagem de materiais tão comuns e mundanos como rolinhos de papel higiênico e papelão podem ser transformados pela arte em peças com beleza e significado.



Em seu trabalho a técnica do origami, com suas dobraduras de papel exatas, é utilizada como uma forma de modificar o descartado em arte.



Os rostos expressivos foram moldados de rolinhos de papel higiênico.


O que chama a atenção em suas máscaras é a humanidade que elas revelam, como se tivessem acabado de topar o dedão em uma quina, ou estivessem cansados e esperando o ônibus chegar no ponto, nos vemos em suas feições e criamos um vínculo com esses pedaços de papelão.




Junior também produziu esse pequeno homem articulado feito inteiramente de papelão, chamado de "Bonhomme Canelle” (Boneco de Canela em tradução livre), que novamente possui uma humanidade absurda escapando por suas dobraduras.


Mais uma vez vemos como o artista consegue libertar, como diria Michelângelo, a vida de dentro do material e trazê-la para nosso convívio.


Para contactar o artista visite seu site ou Facebook, ele vende suas obras ou as reproduções fotográficas em grandes tamanhos.


As fotos desse post são do fotógrafo Matthieu Gauchet. (Via Colossal)

Texto: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:

  • Gifs sobre leitores de Rebecca Mock
  • Monstros de palha japoneses
  • Exposição Polaróides d'Alma de Juliano Rocha
  • Primeira reimpressão da Cartonera Bibliotecas do Brasil


    Os livros cartoneros que produzimos são publicações independentes e autopublicadas que contém textos selecionados da newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox que enviamos semanalmente para os assinantes, além de dois textos inéditos dos editores do blog - um de Juliano Rocha e outro de Daniele Carneiro - escritos especialmente para a Cartonera, com diversas ilustrações entre os textos. As capas são costuradas à mão e as pinturas são obras do Juliano. Leia mais sobre as cartoneras nesse texto: Cartoneras - livros independentes, sustentáveis e únicos.
    Serão mais 15 exemplares disponíveis para venda. Quem quiser é só deixar um comentário na caixa de comentários do blog Bibliotecas do Brasil, no Facebook, ou enviar um e-mail para contato@bibliotecasdobrasil.com


    A Cartonera é também o resultado de um trabalho muito divertido e de aprofundamento que realizamos há dois anos, que é o de conhecer e dar voz através do site a pessoas e grupos que estão realizando com muita competência a aproximação dos leitores com os livros, e incentivando pessoas de todas as idades à leitura e à busca por conhecimento nos lugares mais variados do mundo e que nos servem como uma grande inspiração. Os textos da Cartonera são a nossa visão sobre filmes, livros e temas que nos interessam, além de refletirem sobre práticas que acreditamos que tornariam as comunidades e o mundo em lugares muito mais justos e harmoniosos para todos se houvesse uma maior consciência do que é senso de coletividade e compaixão.


    Com os livros cartoneros vimos uma possibilidade de conquistar mais leitores com um livro bonito e bem acabado que concretiza a prática da reciclagem, e nos permite usar toda a nossa criatividade, seja através dos nossos textos ou da arte do Juliano nas capas. A autopublicação permite que os textos cheguem imediatamente para os leitores assim como a newsletter, mas com o diferencial de ser um livro físico e único, com capa, páginas e costura, enquanto na newsletter eles existem apenas em formato digital.
    Agradecemos imensamente à todos que compraram as cartoneras, nos ajudam a divulgá-las, aos que leram suas páginas e que principalmente, nos apoiam e nos incentivam a continuar.

    Leia mais:

    quinta-feira, 28 de agosto de 2014

    Como foi o lançamento da Cartonera Bibliotecas do Brasil

    Na espetacular manhã ensolarada e quente em pleno inverno, no último sábado, 23/08/2014, lançamos a Cartonera Bibliotecas do Brasil junto à Minibiblioteca do Sossego do Parque Gomm em Curitiba. Levamos os 6 exemplares restantes dos 15 que foram produzidos na primeira tiragem. O dia estava incrível! Fotos: Juliano Rocha e Salvemos o Bosque da Casa Gomm


    Cartoneras embaladas e prontas para começar a circular entre os leitores. Os livros cartoneros são feitos à mão, com papelão reciclado que foi coletado nas ruas dos bairros Rebouças e Campo Comprido. O Juliano faz a pintura das capas, depois elas são costuradas às páginas. Os textos são de nossa autoria, uma coletânea que fizemos dos textos enviados semanalmente através da nossa newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox, e mais dois textos inéditos que escrevemos especialmente para as cartoneras.


    No Parque Gomm, onde montamos a Minibiblioteca do Sossego em uma ação conjunta com o movimento Salvemos o Bosque da Casa Gomm, e o lançamento dos nossos primeiros livros cartoneros.


    Cid Vicentini Silveira, o professor de Tai Chi Chuan do Parque Gomm foi o primeiro a levar uma das cartoneras. Obrigada Cid!


    A Rossana Mendes é frequentadora assídua do Parque Gomm e também levou uma das cartoneras, e no dia seguinte comprou outra! Valeu Rossana!

    Conversas animadas sobre livros e publicações alternativas com a Andrea e a Kimberlym 


    Que linda essa imagem da Andrea dando carinho e cuidando da Minibiblioteca do Sossego. A Minibiblioteca foi montada em uma ação conjunta do blog Bibliotecas do Brasil com o movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm, para incentivar a leitura e fortalecer o movimento de criação do parque. É a primeira minibiblioteca de Curitiba a funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, em um parque aberto e público da cidade.


    A Andrea nos emocionou no Parque Gomm. Ela trouxe duas sacolas de doações com muitas roupas em excelentes condições de uso da sua filha Raquel, para a gente encaminhar para as crianças que estejam precisando de doações, e que são atendidas pela Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa, nosso primeiro projeto de incentivo à leitura, iniciado em 2011. Nós vamos encaminhar essa doação com muito carinho. A Andrea também doou cadernos de desenho e caixas de giz de cera para colaborar com a festinha de final de ano das crianças das escolas rurais da Estrada do Anhaia em Morretes, onde montamos a Biblioteca do Sítio. Em breve passaremos mais informações sobre essa arrecadação que estamos fazendo. Obrigada pelo grande gesto de doar as roupas da sua filha Andrea!

    A Minibiblioteca do Sossego é responsável por esses encontros entre possíveis doadores e pessoas que estão interessadas em levar um pouco de conforto para aqueles que precisam. Nossa maior causa é a doação, não só de livros, mas de tudo o que temos um pouquinho a mais e que possa ser repassado para pessoas que estejam necessitando de ajuda.


    A Andrea curtiu muito a Cartonera Bibliotecas do Brasil.


    E aí que um rapaz chegou, perguntou onde era a Minibiblioteca do Sossego e deixou a doação de um TWISTER que imediatamente foi estendido no gramado do Parque Gomm para a brincadeira começar! Ele doou o jogo em nome do Parque Gomm, foi muita gentileza! O Nicolas, filho da Graziela Flor fez a maior festa com o brinquedo!


    O Twister fez a alegria da manhã do Nicolas e sua amiguinha.


    Juliano Rocha e Dani Carneiro, editores do blog Bibliotecas do Brasil, e ao fundo a belíssima Casa Gomm

    Uma biblioteca movimentada, frequentada, utilizada. A Minibiblioteca do Sossego é uma grande vitória! 

    A Minibiblioteca do Sossego é a primeira minibiblioteca livre de Curitiba a funcionar em um parque aberto e público há 7 meses! Ela recebeu doações no sábado, ganhou uma plaquinha nova plastificada, que foi fixada ao lado dela, presente da Rita Marie da Minibiblioteca Ilha de Camões, e os livros já começaram a circular. Tinha doações de livros de literatura que não fomos nós que colocamos lá, e até duas fitas k7 que consideramos uma doação espetacular, visto que as novas gerações muitas vezes nem sabem o que é uma fita k7. É uma demonstração de carinho e de simpatia com a Minibiblioteca do Sossego.
    O fato da Minibiblioteca não estar sempre lotada, abarrotada de livros, como costuma ficar quando realizamos as Trocas de Livros Livres, significa que ela é um projeto bem sucedido. A Minibiblioteca funciona em ondas, tem horas que vai estar cheia, e tem horas que estará quase vazia. É orgânica. E depende sempre da solidariedade das pessoas em doar livros para mantê-la ativa. Ela é um projeto voluntário e independente, e precisa da ajuda e da boa vontade das pessoas simpáticas à iniciativa em mantê-la organizada e com livros disponíveis para a leitura.


    Recebemos uma doação de livretos educativos sobre Cardiopatia Congênita que foi enviada pela Silvia Buchalla, uma ativista da AACC Pequenos Corações, para as mães que frequentam a minibiblioteca e demais leitoras e leitores. A Silvia mora em Guaratuba e durante dois anos realizou atividades incríveis que pudemos acompanhar de pertinho, com as crianças de Guaratuba através da Biblioteca Amigo Livro no Balneário Nereidas.
    Esses DVD's que aparecem na foto foram doados pela Maria Luiza Lago, que fez uma matéria para o Jornal Lona da Universidade Positivo sobre a Minibiblioteca e sobre o movimento Salvemos o Bosque da Casa Gomm, e pode ser lida nesse link: http://goo.gl/KDMzEG (na capa e na página 4). Dentro da Minibiblioteca do Sossego tinha alguns livros de literatura que foram doações espontâneas, anônimas. Valorizamos muito as pequenas doações, espontâneas, que surgem de outras pessoas fora do movimento. Valorizamos esse carinho e agradecemos imensamente!

    Produção das cartoneras durante as frias madrugadas de Agosto.


    Costuradas e prontas para embalar. Saiba como comprar.


    O momento em que a pintura acontece através das mãos do Juliano.


    Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Fotos: Juliano Rocha e Salvemos o Bosque da Casa Gomm

    Leia mais:

    Manhã em homenagem ao poeta Paulo Leminski


    No bairro Hugo Lange em Curitiba, as manhãs de domingo tem um novo sabor com as atividades espontâneas e voluntárias realizadas na Minibiblioteca Ilha de Camões. Essas são as fotos do encontro que em homenagem a data de nascimento do poeta curitibano Paulo Leminski, falecido em 1989, que se estivesse vivo completaria hoje 70 anos. Sua memória e sua obra foram comemoradas com um café da manhã com muitas delícias, leitura de seus haicais pelos participantes e um varal de poesias foi estendido no Jardinete Poeta Leonardo Henke onde foi montada a Minibiblioteca Ilha de Camões.


    O Jorge atualmente encontra-se em situação de rua. Ele mora no Jardinete Poeta Leonardo Henke há mais de um ano e tem recebido ajuda de moradores, comerciantes e frequentadores da Minibiblioteca Ilha de Camões, como roupas e refeições. Toda colaboração é muito importante e essencial para ele.

    Rossana e Vitória, frequentadoras assíduas da Minibiblioteca Ilha de Camões, e grandes doadoras de livros e gibis. Olha essa coleção enorme que elas doaram para a Rita dividir entre a Ilha de Camões e a Minibiblioteca do Sossego.

    O Nando Matos fez uma doação especial para a Minibiblioteca Ilha de Camões, o livro "A Cor do Preconceito".

    O Yuri também doou livros. É incrível ver como as crianças se apaixonam pelas minibibliotecas, e ajudam a arrecadar e doar seus livros e a cuidar delas, além de, é claro, emprestar livros livremente.


    Nós colocamos para circular dois livros que emprestamos na Minibiblioteca do Sossego, um deles é o Toda Poesia de Paulo Leminski, em homenagem aos 70 anos do nascimento do poeta, e o outro livro é o Guerra Dentro da Gente, que nesse momento já estava sendo lido no Jardinete.

    A Claudia, que é frequentadora do Parque Gomm e da Minibiblioteca do Sossego, também apareceu para fazer doações e conversar na praça


     O Dráuzio sempre toca uma musiquinha para alegrar os leitores da Minibiblioteca Ilha de Camões, e o pessoal que se reúne no Jardinete Poeta Leonardo Henke para se exercetiar, relaxar e conversar.


    No Jardinete Poeta Leonardo Henke tem uma academia ao ar livre onde as pessoas podem praticar exercícios físicos.


    Café da manhã especial e delicioso preparado colaborativamente. Todo mundo colabora com alguma coisa, e no final fica esse cafézão.

    O lindo varal de poesias em homenagem ao poeta Paulo Leminski


    As pessoas que estavam caminhando, correndo, passeando com seus cachorros ou andando de bicicleta pela ciclovia entre a linha do trem e o Jardinete eram surpreendidas pelo varal de poesia estendido em homenagem ao poeta Paulo Leminski.


    Esses livros foram doados na Minibiblioteca do Sossego, lidos, e agora seguem adiante na Minibiblioteca Ilha de Camões. Homenagem a data de nascimento do poeta curitibano Paulo Leminski, falecido em 1989, que se estivesse vivo completaria hoje 70 anos.

    Confecção de plaquinhas e artesanato

    Uma atividade que tem virado costume na Minibiblioteca Ilha de Camões é a confecção de plaquinhas indicativas da biblioteca. Quem vai até a praça pode levar um pedaço de madeira, ou pegar alguns dos disponíveis nos descartes de material de construção dos vizinhos, e começar a pintar uma plaquinha. O clima da praça é relaxante, tem um ar gostoso, há muitas pessoas passeando e confraternizando, e qualquer pessoa que goste de pintar, desenhar, costurar, escrever e cantar, encontra ali um loca propício para tais atividades.



    A Vitória e o Nando fazendo plaquinhas na manhã ensolarada desse domingo.


    Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil

    terça-feira, 26 de agosto de 2014

    Bibliotecas do Brasil Inbox #20

    A edição número 20 da newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox está em festa pelos 2 anos do blog Bibliotecas do Brasil. Nesses dois anos muita coisa aconteceu, conhecemos muitas pessoas legais e nos tornamos pessoas melhores pelo contato com tanta gente que faz a diferença em suas comunidades. Nesta semana falamos de um dos temas mais caros a nós: a empatia. Utilizamos o livro infantil Seis Homens de David Mckee para discutir como a empatia salvou a humanidade e como pequenas doações e carinho podem melhorar a vida de quem está em situação de rua. Passamos também pela agitada semana do blog, agenda cultural, selinho da semana e indicamos um projeto que você deveria conhecer.

    O que é isso?
    Toda semana, às sextas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez.
    Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora: http://eepurl.com/R2rGf.

    Texto e arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    Foto: Rita Marie
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    domingo, 24 de agosto de 2014

    2 anos de Bibliotecas do Brasil!


    Nesse dia 24/08 completamos 2 anos de blog Bibliotecas do Brasil, foi um período muito rico e feliz para nós. Conhecemos pessoas espetaculares que acreditam no poder da mudança que o acesso aos livros pode ter na vida de inúmeras comunidades, travamos contato com locais que não conhecíamos e fizemos amizades duradouras que sempre nos dão apoio para continuar nessa luta pela divulgação das ações de incentivo à leitura, bibliotecas e minibibliotecas livres, comunitárias e atuantes, além de conhecermos também pessoas que publicam livros de maneira independente.
    Nos sentimos gratos por fazermos aquilo que gostamos e acreditamos, que é propagar a ideia da facilidade de acesso a todos - independente do dinheiro que se possua na carteira ou do local onde more - à cultura, à possibilidade de conhecer novos mundos e adquirir ferramentas que permitem à uma pessoa mudar sua vida para melhor.
    Queremos agradecer você que acessa o blog Bibliotecas do Brasil, conversa conosco por e-mail, redes sociais e pela newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox, por manter esse diálogo que nos impulsiona a procurar novos conteúdos e ideias todos os dias e trazer uma novidade em todos esse canais de comunicação. Sem essa leitura carinhosa que você dedica ao nosso conteúdo o blog perderia o sentido, portanto sinta-se parte das nossas conquistas, coloque o chapéu de aniversariante também e nos ajude a soprar as velinhas.

    Para ter uma visão mais detalhada do número de pessoas fantásticas que estão mudando o mundo com pequenas ações de incentivo à leitura em suas comunidades, passeie pela nossa lista (em constante atualização) de todos os projetos, bibliotecas e pessoas que já passaram pelo blog nesses dois anos no post do primeiro aniversário do blog: confira a lista.
    Um grande abraço do seus amigos
    Juliano Rocha e Daniele Carneiro
    Arte: Juliano Rocha

    Leia mais: 

    A poesia contra a violência do poeta Sérgio Vaz

    O uso do Facebook com toda a capacidade de um poeta, permite que os usuários da rede reajam à poesia, curtam, compartilhem, e façam com que ela se perpetue em inúmeras casas, lugares e pessoas. A forma como o poeta Sérgio Vaz combina poesia e fotografias torna o seu Facebook uma página especial, onde nós aqui do blog Bibliotecas do Brasil particularmente queremos estar, e visitamos sempre. A forma como ele se comunica desperta sentimentos especiais e  instantâneos que são liberados através da beleza das palavras, da indignação, e suavidade que encontramos em muitas de suas postagens. Ele consegue dar voz para quem está na periferia. Ao invés de usar simples legendas, cada post de Sérgio Vaz são publicados para inspirar.


    POESIA SEDUZ CRIANÇAS NA FAVELA DE PARAISÓPOLIS

    Atenção, a coisa está feia, a Poesia não está respeitando nem as crianças, nem a idade, nem nada. Está passando o rôdo geral. (rsrs)
    Conforme testemunhas, as crianças estavam passando distraídas, quando de repente a Poesia apareceu bem na frente delas oferendo poemas suspeitos e palavras como "Felicidade, cotidianos e migalhas".
    Pior que as crianças estão gostando.
    A Poesia está lá encostada no muro seduzindo a criançada, sem que seja molestada por ninguém, por nenhuma autoridade, ou sei lá o que.
    Quem poderia imaginar a Poesia que era toda certinha, agora se oferecendo nos becos e vielas...
    Será que a academia está sabendo dessa barbaridade?

    Direto das ruas,
    Sergio Vaz
    Jornal #poesianosmuros



    NA FUNDAÇÃO CASA...

    - Quem gosta de poesia?
    -Ninguém senhor.
    Aí recitei Negro drama dos Racionais.
    - Senhor, isso é poesia?
    -É.
    -Então nóis gosta.
    É isso. Todo mundo gosta de poesia.
    Só não sabe que gosta.

    Sergio Vaz


    SAIDINHA POÉTICA
    Poesia rouba atenção de aposentado.

    O senhor tinha acabado de sair de casa e deu de cara com uma Poesia armada de palavras até a boca.
    Com o Poema apontado para seus olhos, entregou toda atenção que tinha, e alguns suspiros que tinha economizado durante toda uma vida.
    Ele passa bem, mas diante do susto acabou tendo um enfarte no marasmo do miocárdio.

    Direto das ruas,

    Sergio Vaz
    #poesianosmuros


    POESIA ATACA MOLEQUE EM PLENA LUZ DO DIA

    Tô nem aí, quero que essa molecada se dane, quem mandou desprezar e Poesia todo esse tempo. Agora ela está revoltada.

    KKKKKKKKKKKKKKKK

    sergio vaz


    A POESIA INVADIU AS ESCOLAS!

    Que ninguém me diga que os jovens não gostam de ler.
    Eles gostam, só não sabem que gostam.
    Meu trabalho, se é que isso pode ser chamado de trabalho, é lembra-los.

    Sergio Vaz
    *Escola Reverendo Denoel Taboão da Serra


    Fotos e poesias: Poeta Sérgio Vaz
    Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    Leia mais: