Cartoneras - livros independentes, únicos e sustentáveis

Em breve mais um forma de ler o blog Bibliotecas do Brasil.

Como foi a Troca de Livros Livres no Parque Gomm

Passamos a manhã e a tarde conversando sobre livros livres, cidadania e trocamos muitos livros.

Bibliotecas do Brasil Inbox #16

Essa semana nossa newsletter tem textos sobre o vídeo 'Taca-le pau Marcos!' e discutimos a abominável expressão 'navio negreiro do bem' utilizada por um jornalista.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Doações para aquecer a Minibiblioteca do Sossego



Estivemos hoje no Parque Gomm (28/07/2014) no final da tarde para reabastecer a Minibiblioteca do Sossego com livros. A temperatura estava em torno dos 12º e logo que deixamos o Parque começava a cair uma fina e gelada garoa. É normal encontrarmos a Minibiblioteca bastante movimentada porque ela recebe a visita de muitos leitores durante a semana. O acervo varia entre as novas doações, os livros que já foram emprestados várias vezes e retornaram e os livros que estão aguardando empréstimos. Dessa vez haviam mais livros infantis do que adultos.


A Minibiblioteca do Sossego faz parte da iniciativa "Leia, Empreste ou Devolva" do blog Bibliotecas do Brasil, que pode ser utilizada por qualquer pessoa que queira montar sua própria biblioteca livre, e é uma ação conjunta com o movimento Salvemos o Bosque da Casa Gomm. As pessoas que visitam o Parque Gomm em Curitiba podem emprestar livros livres da Minibiblioteca e levar para ler em casa. Também podem emprestar os livros para outros leitores como os filhos, sobrinhos, amigos, parentes, e depois se quiserem, podem devolver para a Minibiblioteca, ou então deixar que os livros continuem circulando nas mãos de novos leitores. Mas para que a Minibiblioteca do Sossego continue encantando os leitores que já a conhecem e os novos leitores que estão conhecendo a Mini agora, ela precisa de sua ajuda para conseguir mais livros para o acervo. Saiba como doar.


Os livros que foram colocados na Minibiblioteca do Sossego foram doados e/ou trocados na Troca de Livros Livres que realizamos no dia 19/07/2014.


Dedicatória encontrada em um livro.


A Minibiblioteca do Sossego é uma pequena e delicada caixa de feira customizada e transformada em biblioteca para incentivar a leitura pelo prazer de ler, que funciona através de uma rede solidária de pessoas que cuidam dela, mantém o entorno limpo, organizam os livros, fazem doações de novos exemplares e mantém o funcionamento da Minibiblioteca. O trabalho é voluntário, realizado por inúmeras pessoas solidárias e simpáticas à ideia.


A participação da comunidade de leitores é essencial para manter a Minibiblioteca funcionando. Através da Minibiblioteca nós procuramos despertar a conscientização das pessoas para a importância da circulação dos livros que acabam ficando abandonados durante anos em prateleiras e estantes, e também para a importância da doação consciente, afinal os livros que são doados entram imediatamente em circulação, então precisam estar em boas condições de uso, não podem estar rabiscados, rasgados, inutilizados, com mal cheiro, sujos, deteriorados e precisam ser essencialmente livros de leitura por prazer - não entra nessa categoria livros didáticos escolares, enciclopédias, livros muito grandes (eles não cabem na Minibiblioteca), apostilas de cursinho pré-vestibular ou de cursos de idiomas, muito menos livros infantis com as páginas soltas se desmanchando, gibis rabiscados ou sem capa - afinal outras crianças irão emprestá-los.
A situação do livro doado expressa diretamente a intenção do doador, por isso é importante que o livro esteja em boas condições, para que os próximos leitores possam desfrutar confortavelmente da sua leitura.

Saiba mais sobre a Minibiblioteca do Sossego:



Texto: Daniele Carneiro
Fotos: Daniele Carneiro e Juliano Rocha
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:

Cartoneras - livros independentes, únicos e sustentáveis


As cartoneras nasceram na Argentina em meio à uma crise econômica, e como a necessidade é a mãe da invenção, escritores e poetas independentes começaram a produzir livros impressos em pequenas gráficas e com as capas feitas de papelão, normalmente reciclado, pintadas uma a uma. Fazer um livro cartonero ("cartoneras" são as mulheres que recolhem recicláveis e principalmente papelão nas ruas de Buenos Aires) é uma atitude de independência, auxilia a reciclagem daquilo que até pouco tempo atrás seria considerado lixo e permite que escritores iniciantes e independentes entrem no mercado editorial.
Essa mistura de fanzine com livro oficial criou uma alternativa onde poetas e novos escritores possuem uma voz e não mais precisam esperar alguma grande editora um dia, quem sabe, ler seu manuscrito. Como a internet dá voz para todas as vozes os livros cartoneros dão voz para todos os escritores.
Conhecemos as cartoneras em nossa viagem para Porto Alegre e ficamos fascinados com sua feitura e as possibilidades que elas ofereciam de democratizar o acesso à publicação. Suas capas únicas são excelentes meios para divulgar o trabalho de artistas plásticos e agregar valor ao livro, pois ele será um exemplar único em meio aos milhares de exemplares idênticos produzidos pelas grandes editoras. No FestiPoa Literária, fomos ao lançamento da cartonera do Jornal Boca de Rua, que é produzido pelos moradores de rua de Porto Alegre, com capas produzidas por diversos artistas plásticos que doaram seus trabalhos para o Boca de Rua conseguir arrecadar dinheiro para suas ações. Outra pessoa que conhecemos foi o Julio Souto, da editora Maria Papelão, que tinha alguns exemplares de cartoneras para nos mostrar e nos explicou o conceito das cartoneras. No dia seguinte compramos uma cartonera chamada "A única voz" de Wilson Freire na Palavraria Livros & Cafés.
Depois de muito pesquisar, infelizmente não achamos ninguém que produza cartoneras em Curitiba e decidimos mudar essa situação. Estamos produzindo a cartonera do Bibliotecas do Brasil! Ela contará com textos produzidos pelos editores do blog, Daniele Carneiro e Juliano Rocha, terá textos de nossa newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox, bem como textos inéditos. As capas serão feitas por Juliano, cada uma sendo uma obra única e exclusiva de quem a adquirir. Em breve elas estarão prontas e poderão ser adquiridas pessoalmente conosco nos eventos que participaremos ou então pelo blog, com entrega pelos Correios.
Abaixo estão algumas fotos da produção da cartonera do blog Bibliotecas do Brasil:





Texto e fotos: Daniele Carneiro e Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:



  • Lançamento do livro-arte Boca de Rua e Mostra de Saraus na FestiPoa Literária
  • Palavraria Livros e Cafés, Porto Alegre/RS
  • Assine a newsletter "Bibliotecas do Brasil Inbox"
  • sábado, 26 de julho de 2014

    Bibliotecas do Brasil Inbox #16


    Nessa semana na Bibliotecas do Brasil Inbox vamos de uma ladeira em Gaspar, Santa Catarina e uma infância que consegue aproveitar o antigo e o moderno ao mesmo tempo, até os infames navios negreiros da época do Brasil Colônia em uma análise de uma expressão abominável criada por um jornalista sobre os haitianos em nosso país. Além disso tudo, ainda tem as tradicionais seções do selinho da semana, uma revisão do que passou nessa semana, agenda cultural e dicas para leitores e bibliotecas.

    O que é isso?
    Toda semana, às sextas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez.
    Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora: http://eepurl.com/R2rGf.

    Texto e arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Fotos: YouTube e Wikipedia

    quinta-feira, 24 de julho de 2014

    ONG lança ônibus com chuveiros para pessoas em situação de rua em São Francisco, EUA


    A ONG americana Lava Mae tem o plano de colocar antigos ônibus de linha reformados com chuveiros dentro para que as pessoas em situação de rua possam tomar banho. Com esse pequeno gesto, que para nós é algo banal e diário, os moradores de rua aumentam a auto-estima, conseguem reaver parte da sensação de pertencer ao mundo e podem procurar empregos ou tentar procurar moradia sem serem discriminados por estarem sujos, justamente pela falta de chuveiros públicos para todos.
    A ONG acabou de conseguir 100 mil dólares do Google para que o primeiro ônibus possa funcionar e levar um pouco de conforto para os moradores de rua em São Francisco que encontram-se em uma situação tão difícil. Assista no vídeo e veja como uma ideia tão legal pode começar a mudar a situação de pessoas que temporariamente encontram-se presas às ruas:


    Esperamos que essa ideia se prolifere também pelo Brasil, onde muitas pessoas não possuem acesso à banheiros públicos nas grandes cidades, ou sequer são permitidas de entrar em prédios que deveriam servi-las como as bibliotecas públicas.

    Fonte: Lava Mae e Mashable
    Texto: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Foto e vídeo: Lava Mae

    Leia mais:

    terça-feira, 22 de julho de 2014

    Como foi a Troca de Livros Livres no Parque Gomm

    Foto: Maria Luiza Lago
    Foto: Maria Luiza Lago

    No último sábado, 19/07/2014, o blog Bibliotecas do Brasil realizou em parceria com o movimento cívico Salvemos o Bosque da Casa Gomm a Troca de Livros Livres para comemorar a notícia de que o Parque Gomm está para ser criado, incentivar a leitura ao ar livre e divulgar a Minibiblioteca do Sossego
    Sentimos que é fundamental esse contato com os leitores pois as pessoas querem saber como a Minibiblioteca funciona, têm várias perguntas a fazer, querem entender como podem emprestar, trocar e doar livros. Tínhamos a previsão de ficar das 10h até às 13h, mas ampliamos esse horário até às 16h, porque toda vez que começávamos a juntar os livros para ir embora, mesmo com o dia gelado, chegavam novos visitantes com mais exemplares para trocar ou doar. Foi ótimo! 
    O movimento de pessoas foi muito maior do que esperávamos e as cenas eram marcantes: crianças vinham até nós e pediam para emprestar livros, faziam a troca, levavam livros para ler com os pais no gramado durante o piquenique, voltavam para devolver, emprestavam mais livros e assim foi a manhã e tarde inteiras.  Foto acima: Maria Luiza Lago

    O começo da nossa Troca de Livros Livres. Fotos: Juliano Rocha

    Nós sentimos que há muita vontade por parte de moradores dos mais variados bairros de partilhar livros, e muitos visitantes nos disseram a mesma coisa: estão todos carentes de uma feira do livro em Curitiba. A ideia da Troca de Livros Livres funciona de maneira bem simples: a pessoa coloca o livro que quer trocar sobre o gramado, e escolhe o livro que quer levar para casa. Ou então pode doar livros diretamente para a Minibiblioteca do Sossego.

    Foto: Juliano Rocha

    A Marilia já estava no Parque Gomm quando chegamos para montar a Troca de Livros Livres. Ela logo pegou um livro e escolheu um cantinho no sol para aproveitar a manhã gelada para ler.

    Foto: Salvemos o Bosque da Casa Gomm

    Esse simpático casal mora pertinho do parque e nos contou que conheceram a Casa Gomm quando ela ainda não havia sido desmontada e mudada de lugar, e o Bosque era muito maior. Eles nos contaram várias histórias de como era o Bosque antigamente, e comentaram que próximo ao Parque Gomm existe a Biblioteca Franco Giglio (atualmente Casa da Leitura), que infelizmente foi fechada em 2011, e nunca mais abriu para emprestar livros e promover a cultura nos bairros próximos, "deixando um vazio principalmente para as crianças" afirmaram. Nós publicamos o artigo "Casa da Leitura Franco Giglio está abandonada em Curitiba" sobre o fechamento e esquecimento dessa biblioteca em abril de 2014. O casal disse que pretende doar 50 livros para a Minibiblioteca do Sossego. Os leitores com certeza vão apreciar essa doação.

    Foto: Salvemos o Bosque da Casa Gomm

    A Anna Luiza (abaixada lendo um livro no centro da foto) veio de ônibus pela primeira vez em um dos sábados de atividades do Parque Gomm, ela adorou a ideia da troca de livros, o espaço, e deu a maior força para que a gente organize novas trocas. É fantástico conhecer pessoas que pensam bem parecido com a gente na questão dos livros livres, da acessibilidade e das bibliotecas atuantes que abraçam e trazem essa comunidade de leitores para dentro de seus espaços. Esse senhor de terno (lado esquerdo da foto) foi ao Parque especialmente para doar vários exemplares de um livro de História do Brasil que ele mesmo escreveu. Foi muito generoso da parte dele e os livros já ficaram na Minibiblioteca para empréstimo.

    Luca expressando sua opinião sobre livros de fotografia e fotógrafos. Foto: Marilia Fanucchi

    A Biblioteca da Casa Kozák também esteve presente nas conversas travadas durante a Troca de Livros Livres. Professores que vieram trocar livros ao longo do dia nos disseram que chegaram a realizar oficinas e rodas literárias na casinha do etnólogo Vladimir Kozák, construída no estilo tcheco por ele mesmo no bairro Uberaba. Em 1979,quando Kozák morreu, sua casa, agora conhecida como Casa Kozák foi transformada em biblioteca. Mas hoje, tanto sua casa quanto seu carro, uma Rural Willys, sofrem abandonados com a falta de manutenção e com a ação do tempo. Leia os artigos que publicamos mostrando os "tristes detalhes do interior da Casa Kozák" e as "questões em aberto sobre a Biblioteca da Casa Kozák".

    Foto:  Salvemos o Bosque da Casa Gomm

    A Raquel subiu na árvore para ler o seu livro. Espírito livre!

    Foto: Maria Luiza Lago

    Essa moça comprou um livro em um sebo e foi ao Parque Gomm aproveitar o dia para ler.

    Foto: Maria Luiza Lago

    Muitas crianças participaram ativamente da troca, é muito bonitinho vê-las trazer os livros, entregar nas nossas mãos e trocar por outros exemplares. 

    Doações 

    Parte dos livros arrecadados durante a Troca de Livros Livres ficaram na Minibiblioteca do Sossego. Os demais exemplares serão carimbados com a arte da iniciativa "Leia, Empreste ou Devolva" da qual a Minibiblioteca faz parte, e servirão para reabastecê-la nas próximas semanas. Quem quiser pode acompanhar as próximas movimentações da Minibiblioteca do Sossego no Facebook. Dividiremos esses livros que foram doados com a Biblioteca Livre Pote de Mel, iniciativa do editor do blog Livros e Afins, Alessandro Martins, e a pioneira de Curitiba que nos inspirou a concretizar a Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa
    Já que muitas pessoas que foram para a Troca de Livros Livres conhecem a Biblioteca Livre Pote de Mel e frequentam a padaria, nada mais natural do que dividir o acervo com ela, afinal ela é a nossa grande inspiração. A nossa ideia era articular uma arrecadação direcionada à Bibliopote, mas como as doações foram generosas, dividiremos. 

    No final da tarde mais pessoas apareceram para trocar livros. Foto: Maria Luiza Lago

    Próxima edição da Troca de Livros Livres

    Como os pedidos para que a gente realize uma nova troca de livros foram bastante consistentes, com certeza vamos combinar com a Salvemos o Bosque da Casa Gomm uma próxima edição, mas decidimos que será somente após as eleições. Acompanhe o Facebook da Minibiblioteca do Sossego, e o blog Bibliotecas do Brasil para se informar à respeito da próxima data.
    Enquanto isso, a Minibiblioteca do Sossego segue ativa no Parque Gomm, sempre movimentada e disponível para quem quiser emprestar, trocar ou doar livros. Valeu gente! Agradecemos a todos que compareceram, trocaram livros, emprestaram e doaram. Nós acreditamos na doação como prática solidária, e vê-la sendo praticada é uma grande satisfação.

    Intercâmbio de ideias

    Foto: Maria Luiza Lago

    Banda Recif de compas haitiano, moradores de Curitiba, visitaram o Parque Gomm e levaram livros livres para ler.

    Foto: Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil.

    À tarde a banda haitiana Recif de compas (um ritmo musical haitiano) esteve no Parque Gomm para conhecer o local. Eles estão estabelecidos em Curitiba há 2 anos. Esses livros que eles estão nas mãos eles pegaram emprestados no finalzinho da Troca de Livros Livres da Minibiblioteca do Sossego.
    No dia 9 de Agosto de 2014 eles vão fazer um show às 18h no Centro Cultural de Pinhais, na Rua 22 de Abril, nº305, no Centro de Pinhais/PR e eles deixaram o convite aberto para todos que quiserem prestigiá-los. Os ingressos custam R$20,00. Informações: (41) 9552-7111



    Encontramos no mural de recados na entrada de um restaurante na região do Parque Gomm no sábado: é a divulgação da nota que saiu no blog da Lumen FM que a Diana Vieira publicou, para que os clientes do restaurante conheçam a Minibiblioteca. Achei bonitinho, gentil, fico feliz de ver as pessoas demonstrando carinho pela Minibiblioteca do Sossego. Que continue a fluir.

    Chegou aqui agora? Então leia esse post.
    Curta no Facebook a página do blog Bibliotecas do Brasil, da Salvemos o Bosque da Casa Gomm e da Minibiblioteca do Sossego.

    Texto: Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Fotos: Juliano Rocha, Salvemos o Bosque da Casa Gomm, Marilia Fanucchi, Maria Luiza Lago

    Leia mais:

    segunda-feira, 21 de julho de 2014

    Lista de 14 livros para ser um escritor melhor por Ernest Hemingway

    *A citação da imagem encontra-se no artigo que Hemingway escreveu para a revista Esquire em 1934. O artigo pode ser lido em inglês aqui.

    Ernest Hemingway (1899 - 1961), escritor que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura por seu livro "O Velho e o Mar" era adepto da ideia da simplicidade, de ser o mais direto possível em sua escrita para passar o maior número possível de informações e não atrapalhar na imersão do leitor na história. Em 1934, ao ser perguntado por um aprendiz de escritor dicas de como escrever melhor, ele passou uma lista com 14 livros que ele achava necessários para todo escritor conhecer. Leia a história completa desse encontro em um delicioso artigo na Revista Clichetes aqui. Abaixo segue a lista:

    Texto e arte: Juliano Rocha
    Bibliotecas do Brasil - contato@bibliotecasdobrasil.com

    Leia mais:

    sexta-feira, 18 de julho de 2014

    Bibliotecas do Brasil Inbox #15


    Bibliotecas do Brasil Inbox #15 acabou de sair do forno e está recheada de conteúdos culturais, dicas, agenda, selinho e outros textos que só quem assina a newsletter tem acesso. Ficou com vontade de ler? Assine agora que você receberá de brinde todas as edições anteriores e poderá ficar por dentro do que aprontamos nas newsletters passadas enquanto a próxima sexta-feira não chega.
    Nessa semana falamos do Mandela Day e como podemos utilizar os ensinamentos de Nelson Mandela para promovermos uma mudança para melhor no mundo. Também entramos no mundo esquizofrênico e iluminado da catadora de materiais recicláveis Estamira no lixão de Jardim Gramacho, em um documentário de Marcos Prado.
    Não perca tempo e assine hoje a nossa newsletter, e tenha acesso imediato a todas as edições que já enviamos, é só clicar e se inscrever gratuitamente no link: http://eepurl.com/R2rGf

    Texto e arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    Mandela Day - Dia Internacional Nelson Mandela



    Como você faz de todos os dias um Dia Mandela?
    Partilhe suas ações e junte-se à comunidade global dos que fazem a mudança acontecer no Dia Mandela.

    "O que conta na vida não é o simples fato de termos vivido. É o que fizemos de diferença na vida dos outros que irá determinar o significado da vida que levamos" - Nelson Mandela

    O Dia Internacional Nelson Mandela foi lançado em reconhecimento ao aniversário de Nelson Mandela em 18 de julho de 2009 por decisão unânime da Assembléia Geral da ONU. Foi inspirado por um chamado que Nelson Mandela fez um ano antes para que a próxima geração assuma o papel de liderança para enfrentar as injustiças sociais do mundo, quando ele disse que "está em suas mãos agora".
    O Dia Mandela é mais do que uma celebração da vida e do legado de Madiba. É um movimento global para homenagear o trabalho de sua vida e ações para transformar o mundo em um lugar melhor.

    Tome uma atitude. Inspire a mudança.
    Faça com que todos os dias sejam o Dia Mandela.
    A mensagem por trás do Dia Mandela é simples - cada indivíduo tem a capacidade e a responsabilidade de transformar o mundo em um lugar melhor.
    Se cada um de nós atendesse ao chamado de simplesmente fazer o bem todos os dias, estaríamos vivendo o legado de Nelson Mandela e ajudando a construir o país de nossos sonhos.
    O bastão da liderança foi entregue a nós. Agora está em nossas mãos fazer a diferença.
    O ano de 2014 é particularmente simbólico conforme trabalhamos para homenagear um grande estadista e fazer de cada dia um Dia Mandela, ao mesmo tempo que celebramos os 20 anos de liberdade democrática da África do Sul.

    A MENSAGEM
    Nelson Mandela seguiu três regras ao longo de sua vida, o que ele fez com grande sacrifício pessoal:

    • Liberte-se.
    • Liberte os outros.
    • Ajudar todos os dias.
    Mandela Day é um chamado global à ação para os cidadãos do mundo aceitarem o desafio de seguir os passos formidáveis ​​de Madiba, um homem que transformou sua própria vida, serviu seu país e libertou seu povo. O objetivo é inspirar as pessoas a tomarem medidas para tornar o mundo um lugar melhor e, fazendo isso, construir um movimento global para o bem.
    A pergunta que devemos nos fazer é o que estamos fazendo para tornar o mundo um lugar melhor, o que estamos fazendo para tornar cada dia um Dia Mandela?
    O Dia Mandela é dinâmico e está em constante mudança: ele pertence a todos e pode ocorrer em qualquer lugar e a qualquer momento. Apelamos a todos para encontrarem inspiração para sua contribuição no legado de Nelson Mandela e de ajudar aos outros seres humanos todos os dias.

    COMO AJUDAR TODOS OS DIAS
    Para a Fundação Nelson Mandela, as ações do Dia Mandela, não importa quão grande ou pequenas, devem concentrar-se de forma consistente na realização ou restauração da dignidade e autonomia através de colaborações. Para a Fundação as seguintes áreas de atuação tem um significado especial:

    A segurança alimentar
    Todas as pessoas em todos os momentos, devem ter acesso a alimentos suficientes, seguros e nutritivos para manter uma vida saudável e ativa.
    Esta é uma medida de apoio social crucial para o desenvolvimento eficaz e para o crescimento.
    Ao desenvolver atividades de doação de alimentos, doar cestas básicas, cultivar hortas ou organizar doações de pratos preparados e quentes, permite-se o acesso de longo prazo à segurança alimentar, e isto pode diminuir a fome no mundo.

    Educação e alfabetização
    Em um mundo onde o conhecimento é realmente poder, educação e alfabetização são os blocos de construção básicos que abrem as portas da oportunidade e do sucesso.
    Nós todos temos uma responsabilidade como pais, cuidadores, educadores, líderes e cidadãos de incutir nos indivíduos, crianças e comunidades o desejo de alfabetizar-se e aprender, para que possamos dar a eles a chance de realizarem seus sonhos.
    Vamos trilhar o caminho da educação.

    Moradia e infra-estrutura
    Não há maior indignidade que a ausência de um lugar para chamar de lar. Infelizmente, o ciclo da falta de moradia e de infra-estrutura só pode ser quebrado se as pessoas se unirem e tomarem medidas para realizar uma mudança.
    Essa ação aproxima as pessoas para construir casas, comunidades, cidades, continentes e um futuro.

    Serviço e voluntariado
    Servir diariamente ao próximo, de qualquer forma, é uma ação que cada um de nós pode se comprometer. Como agentes da mudança por Madiba em todo o mundo, vamos fazer a nossa parte "vivendo" o legado de Madiba.
    Para servir e conduzir o movimento para o bem comum e, ao final, uma coesão social comum - as pessoas em toda parte são encorajados a contribuir com suas ações para tornar o mundo um lugar melhor e tornarem-se um servidor público a serviço da humanidade.
    Madiba era o servidor público por excelência.
    Façamos como Mandela, o líder abnegado que nós amamos, e nos transformemos também em líderes abnegados em nossas comunidades.
    Lidere pelo exemplo.

    Traduzido do site Mandela Day, para saber mais acesse o site: http://www.mandeladay.com/


    Hoje, dia 18 de Julho de 2014 é uma data especialíssima para nós. Nesse mesmo dia em 1918 nasceu Nelson Mandela, o nosso querido Madiba. E o dia é dedicado à comemoração desse admirável ser humano, a mostrarmos nosso respeito, e nossa mais profunda admiração por Mandela aos nossos amigos e leitores. O Doodle do Google dedica uma homenagem especial para comemorar a data de nascimento de Nelson Mandela.

    Se estivesse vivo Madiba estaria completando 96 anos, ele deixou muitas saudades nos corações daqueles que o admiram e o respeitam. Nelson Mandela morreu em dezembro do ano passado e ficou reconhecido mundialmente por ser um grande líder na luta pelo fim do Apartheid na África do Sul, além de conclamar as pessoas do mundo inteiro a fazer o possível em prol da evolução do espírito humano. Aproveite essa oportunidade para ler um livro sobre a vida de Madiba que sempre será muito querido e lembrado pelas pessoas que acreditam que um mundo mais justo é possível.

    Salve Madiba!

    Ele também já foi tema da newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox, na edição nº 12. Ao assinar a newsletter, você recebe de brinde o arquivo com as edições que já enviamos anteriormente aos nossos assinantes. Logo mais no blog e na newsletter Bibliotecas do Brasil publicaremos um texto sobre o Mandela Day! Assine a newsletter para recebê-la gratuitamente toda sexta-feira nesse link http://eepurl.com/R2rGf

    Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil

    Leia mais: