Robin Williams e a depressão

A tristeza profunda também escolhe as mais sorridentes das almas.

Bibliotecas do Brasil na Feira do Livro de Araucária

Foi uma excelente oportunidade para mostrarmos como é feita a Cartonera Bibliotecas do Brasil.

Bibliotecas do Brasil Inbox #26

Essa newsletter tem textos que falam que devemos também fazer o que gostamos por nós mesmos e sobre a depressão de Robin Williams.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Leitura no Varal e Ronda da Fraternidade na Feira do Livro de Porto Alegre


A Leticia Tafra da Fontoura, idealizadora dos projetos Leitura no Varal e da Ronda da Fraternidade, foi convidada para participar da 60ª Feira do Livro de Porto Alegre no mês de novembro. Ela irá apresentar seus projetos de incentivo à leitura para o público da Feira do Livro no bate-papo "O Livro no Meio do Caminho" que acontecerá no dia 16 de novembro de 2014 (horário será definido em breve, atualizaremos quando for informado). A Leticia deixa desde já o convite aberto à toda a comunidade leitora, interessada em projetos e ações solidárias de incentivo e para as pessoas que já estão se programando para ir a Feira do Livro de Porto Alegre. Essa é a primeira vez que a Leticia vai levar seus projetos independentes que são realizados em Gravataí e cidades vizinhas para a Feira do Livro de Porto Alegre.

A Leticia, que nos recebeu em sua casa no mês de maio, quando viajamos para Porto Alegre, cidade onde tivemos experiências literárias incríveis nos contou que "é uma felicidade imensa poder difundir minhas ideias e compartilhar inspiração para que outras pessoas participem da linda tarefa de levar a leitura a todos os lugares. Viva os livros livres!"



Leitura no Varalé um projeto de incentivo à leitura que funciona através de uma ação bastante simples: a Leticia estica um varal em locais como o portão da sua casa, em pracinhas públicas próximas de escolas, parques, ou em frente a um museu local, em espaços com circulação contínua de pessoas. No varal ela pendura com grampos livros infantis que ela consegue através de arrecadação com um cartaz e simpáticas notinhas incentivando as pessoas a pegarem os livros e levar para casa para ler. No cartaz está escrito as orientações para que as pessoas levem os livros livres e após a leitura passem para novos leitores, para que os livros continuem a circular na mão do maior número possível de leitores. O projeto teve início em 05/08/2014 e vários varais já foram esticados com livros livres pela cidade de Gravataí no Rio Grande do Sul.


Desde o início da Leitura no Varal a Leticia mantém firme o objetivo e o desejo de que outras pessoas realizem a ação de incentivo à leitura em suas cidades, porque é simples de realizar e não necessita de grandes recursos, basta ter alguns livrinhos, corda de varal e alguns grampos de roupa. Ela tem encorajado professoras, grupos solidários, voluntários e amigos na internet a estender seus varais de livros livres. Com recursos próprios a Leticia enviou livros infantis para um grupo de mulheres que mantém um trabalho social na cidade de Brasiléia no Acre, e juntas elas montaram um varal para as crianças e promoveram uma tarde de contação de histórias para elas. Confira as fotos nesse álbum: Leitura no Varal no Acre. A Leitura no Varal também inspirou uma biblioteca do Pernambuco a estender um varal de livros livres em um evento literário. As novidades do projeto podem ser acompanhadas pelo Facebook Leitura no Varal.


Ronda da Fraternidade: A Leticia também é idealizadora da Ronda da Fraternidade, um grupo independente de amigos que se reuniram para fazer o atendimento voluntário social aos moradores de rua de Gravataí e Cachoeirinha. Há um ano eles levam comida quente, agasalhos, cobertores, café da manhã, frutas, doces e livros para as pessoas que estão em situação de vulnerabilidade em noites de muito frio. Leticia explica que "os livros são importantes para ajudá-los a passar a noite e os momentos de solidão, seja no abrigo ou nas ruas. Pensando na falta de opções culturais e principalmente no acesso restrito aos locais de cultura que os moradores de rua enfrentam, a Ronda da Fraternidade leva livros para distribuir junto com os pratos quentes, e dá à eles uma oportunidade de ler". Acompanhe a Ronda da Fraternidade no Facebook.
A programação da Feira pode ser conferida no site: http://www.feiradolivro-poa.com.br/

Menino de 11 anos em situação de vulnerabilidade que a Leticia conheceu durante a Ronda da Fraternidade.

Refeições quentes que são distribuídas junto com agasalhos, café da manhã, suco e livros aos moradores de rua de Gravataí e Cachoeirinha.

Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil
contato@bibliotecasdobrasil.com
Fotos: Leticia Fontoura, Juliano Rocha
Artes: Juliano Rocha

Leia mais:

domingo, 19 de outubro de 2014

Judoca Laura Szarko busca apoio para viajar para a Seletiva da Seleção Brasileira de Base

A Carol Szarko faz um blog maravilhoso chamado Mãe de Atleta, que é escrito por mães para outras mães, pais, tia(o)s, avós, amiga(o)s e atletas, onde todos têm a oportunidade de trocar experiências do dia a dia dos atletas, falar das competições e das viagens, com muitas dicas, vivências e relatos interessantes do mundo do Judô. Nós inclusive já mostramos a Carol e a sua filha Laura aqui no blog Bibliotecas do Brasil no post Sobre Esporte e Infância.
A Laura Szarko, que tem 14 anos e terá a chance de passar pela Seletiva que irá formar a Seleção Brasileira de Base. Mas para isso, a Carol e a Laura precisam angariar recursos para fazer a viagem de Porto Alegre para Salvador onde acontecerá a Seletiva. E a vida de competições é árdua, uma viagem atrás da outra, com muitos recursos investidos, então agora mãe e filha precisam de todo o nosso apoio, solidariedade e doação a partir de 30 reais. Acesse a página do Catarse, faça a sua colaboração e ajude a divulgar a iniciativa.

Sobre a atleta Laura Szarko

Olá!
Carol e Laura Szarko

Laura é minha filha, tem 14 anos e é atleta de Judô. Buscamos apoio para participar de um dos mais importantes eventos do calendário da Confederação Brasileira de Judô: a Seletiva que irá formar a Seleção Brasileira de Base para o ano de 2015.

Laura iniciou no judô em 2010 e foi amor à primeira vista. A paixão foi tanta que em pouco tempo já estava competindo e, desde então, subiu ao pódio em todas as competições oficiais da Federação Gaúcha de Judô que disputou.

O ano de 2014 tem sido de bons resultados: integrando pela primeira vez a Seleção Gaúcha, Laura foi vice-campeã no Campeonato Brasileiro Regional, realizado no mês de abril em São Paulo. Recentemente, foi vice-campeã brasileira estudantil no individual e campeã por equipes nos Jogos Escolares da Juventude, realizados em Londrina.

Estas conquistas nos fizeram sonhar mais alto, e hoje ela está em preparação para a Seletiva Nacional de Base, que acontecerá de 04 a 07 de dezembro no Centro Pan-Americano de Judô, em Salvador (BA).


SOBRE A SELETIVA NACIONAL – SUB 18

OBJETIVO: Classificar os 4 primeiros atletas de cada categoria de peso.

CAMPEÃO: Classificado para o 1º Estágio Internacional sub18 (Despesas pagas pela CBJ);
Oportunidade de adesão no 2º Estágio Internacional

VICE-CAMPEÃO: Classificado para o 2º Estágio Internacional sub18 (Despesas pagas pela CBJ);
Oportunidade de Adesão ao 1o Estágio Internacional sub18.

3° e 4° COLOCADOS: 
Oportunidade de Adesão no 1º e 2º Estágio Internacional sub18.

APOIO

Para alcançar este objetivo, além de muito treino e dedicação, resolvemos buscar aqui o apoio e o incentivo daqueles que gostam e torcem pelo Judô e que querem compartilhar deste sonho conosco.

Se você possui uma empresa e deseja vincular seu nome a este esporte que é um dos que mais tem crescido nos últimos anos, poderemos divulgar sua marca, através da aplicação de patch com sua logo nos quimonos, nas redes sociais, no blog Mãe de Atleta ( http://soumaedeatleta.blogspot.com.br/ ) e no site da Laura ( http://lauraszarko.wix.com/judo ).

Oferecemos recompensas que vão desde agradecimentos no Facebook até uma caneca personalizada.

ORÇAMENTO

Inscrição para o campeonato: R$ 60,00
Despesas com Hotel: R$ 320,00
Despesas com transporte (passagens aéreas): R$ 700,00
Alimentação: R$ 250,00
Taxa do Catarse (13%): R$170,00
Total: R$ 1.500,00

Colabore através do Catarse e vamos ajudar a Laura a ir para a Seletiva da Seleção Brasileira de Base!

Laura em competição

Leia mais:

Bibliopote - Biblioteca Livre Pote de Mel em Curitiba

Fachada da Panificadora Pote de Mel no Centro de Curitiba

Entre 2009 e 2010 passamos uma breve temporada na casa de uma amiga que havia se mudado para outra cidade e que sempre foi uma grande leitora. Na correria da mudança alguns livros dela ficaram para trás, exemplares com os quais convivemos por alguns meses. Era uma delícia fuçar os livros dela, ler suas anotações de leitura, viajar através dos livros sob uma nova perspectiva. Primeiro porque eram livros totalmente diferentes dos que tínhamos em nossa estante, e porque era realmente gostoso estar em um local silencioso e agradável onde as leituras podiam se estender durante horas e horas.

Na casa da nossa amiga foi a primeira vez que pensamos que seria muito legal poder abrir a nossa estante de livros para mais pessoas, foi a primeira vez que pensamos que seria muito bacana partilhar livros com outros leitores. E até chegamos a conversar como seria abrir uma portinha em casa e disponibilizar livros para as pessoas que passassem pela rua, uma pequena biblioteca comunitária. A única condição é que a biblioteca seria sem obrigação nenhuma. As pessoas que quisessem fazer empréstimos não teriam nenhuma obrigação em devolver o livro numa data marcada, nem precisariam de carteirinha, nem mostrar o comprovante de residência, CPF, RG, nem dar o telefone de casa, do celular, de um parente e pagar uma taxa, nada disso. A biblioteca seria livre de burocracia. Funcionaria na base da confiança. Ficamos assim imaginando como seria essa "biblioteca livre". 


Todas aquelas ideias chatas e paranoicas passaram pelas nossas cabeças também: "Como lidar com o vandalismo? Como lidar com o excessivo consumo de drogas em nosso bairro? Será que os livros serão trocados por crack? Vão roubar os livros? Vão vandalizá-los? Vão vendê-los nos sebos, vão emprestar e nunca mais devolver? Etc, etc". 
A melhor coisa que uma pessoa deve fazer se pretende começar uma biblioteca livre comunitária é se livrar de todas essas preocupações desnecessárias que acabam virando bloqueios paralisantes na hora de realizar o projeto. Foque na conscientização do leitor, na importância da leitura e da circulação dos livros, abrace a ideia da partilha de livros e seja feliz!
Ver as pessoas tendo acesso aos livros que elas estavam procurando há muito tempo, tendo contato com eles pela primeira vez como leitores ou redescobrindo o amor pela leitura apaga qualquer preocupação com o destino dos livros. Simplesmente deixe-os ir para onde quer que tenham que ir. 
Naquele mesmo ano que a ideia de partilhar nossos livros começou a fervilhar em nossas mentes, conhecemos a Biblioteca Livre Pote de Mel
É sempre um prazer voltar nossas lembranças ao ano de 2009, porque foi quando vimos na prática que era possível partilhar livros, que a ideia quando sai do papel é realmente incrível, e quando uma rede solidária de pessoas se preocupa em mantê-la, a iniciativa realmente funciona. 
É possível sim no Brasil montar bibliotecas livres, e o Alessandro Martins comprovou isso na prática numa parceria maravilhosa com a Padaria Pote de Mel que dura até hoje, 5 anos. Nós somos apaixonados por essa biblioteca e sempre que a gente pode, faz uma visitinha.

Essa é a Panificadora Pote de Mel no Centro de Curitiba. Dentro da Panificadora desde 2008.

São duas antigas geladeiras cheias de livros livres.


O grande público da Bibliopote são os pacientes e familiares que frequentam o Hospital das Clínicas na região.



Aproveite para conhecer o Alessandro Martins e assinar a newsletter Íntimos e Carecas que ele envia semanalmente e gratuitamente: http://alessandromartins.me/newsletter/


Quando for fazer uma visita a biblioteca não esqueça de pedir um café (que vem em uma xícara grande) e comer o pão de queijo gigante com gosto da vó.

Daniele Carneiro
Fotos: Juliano Rocha e Dani Carneiro
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Feira de Troca de Brinquedos e Livros no Guabirotuba

As feiras de troca de brinquedos acontecem simultaneamente por todo o Brasil na véspera e no Dia das Crianças. Vizinhos, moradores, amigos, grupos solidários, voluntários se organizam e juntos montam essas feiras que muito acrescentam à vida das crianças. Em Curitiba escolhemos participar da Feira de Troca de Brinquedos e Livros organizado pela Andrea Lucia Guimarães e a comunidade de moradores do bairro Guabirotuba. Os moradores estão se unindo para reocupar a Praça do Guabirotuba que é um espaço maravilhoso na cidade de Curitiba que nos últimos anos têm sofrido com o abandono e com a depredação.


Juliano Rocha, Daniele Carneiro e Andrea Guimarães na Feira de Troca de Livros e Brinquedos da Praça do Guabirotuba.


Livros e brinquedos foram doados e também trocados livremente.


A movimentação de pessoas que foram visitar a primeira Feira de Troca de Brinquedos e Livros na Praça do Guabirotuba foi grande.


A Praça do Guabirotuba há muitos anos sofre com descaso e abandono e agora os moradores estão reocupando-a. Olha só que lugar incrível!


Muitos skatistas e praticantes de carrinho de rolimã utilizam uma pista em descida no meio da praça, perfeita para manobras radicias, ou uma descida calma para apreciar a paisagem. Mas eles também têm sofrido com a depredação da praça, não podendo deixar suas mochilas e objetos pessoais na hora de descer a ladeira, porque na volta não encontram mais


Moradores, vizinhos, turistas, conversamos com pessoas de três bairros diferentes que estavam bastante empolgadas com a ocupação da Praça do Guabirotuba.


No Cantinho da Criatividade as crianças puderam se expressar e brincar, utilizando cavaletes que sobraram das eleições.


A ONG Pet de Rua também estava presente, doando cachorrinhos que foram abandonados, e agora estão à procura de novos donos e de lares carinhosos para que possam viver felizes para o resto de suas vidas.


Esses filhotes têm apenas 4 meses, estão castrados e disponíveis para adoção com a Pet de Rua. Quem sabe vocês não se tornam amigos e eles ganham um novo lar?


Todos os cachorrinhos dessa foto estão disponíveis para adoção. Quem tiver interesse e quiser conhecer o trabalho da ONG, basta acessar o site: http://petderua.com.br


A Praça do Guabirotuba é enorme e merece ter sua reocupação. Ali é possível montar diversas atividades culturais, recreativas e educativas.


Levamos a Cartonera Bibliotecas do Brasil para a Feira de Troca de Brinquedos Livros do Guabirotuba para mostrar para algumas pessoas o trabalho que estamos desenvolvendo. É bacana perceber que na Pracinha do Guabirotuba há diálogo para novas ideias literárias.


A Paquita e todos os cachorrinhos dessas fotos estão disponíveis para adoção. Se apaixonou por algum deles? Então entre em contato com a Pet de Rua.


Dóceis, amigáveis, parceiros, queridos e precisando muito de donos e um lar carinhoso para terem uma vida plena e feliz.

A Laika é bem querida e amistosa, um lar com outro cachorrinho seria o ideal para ela.

A Dona Vera e a Dona Jandira são colaboradoras da Pet de Rua, Dani Carneiro e a cachorrinha Laika.

É ótimo ver as pessoas reocupando lugares que estavam abandonados e sofrendo com a criminalidade e o mal uso de seu espaço, os moradores precisam de áreas verdes e locais de segura convivência no meio das grandes cidades, que são tão cinzas e castigadas com a poluição do ar e sonora. A Praça do Guabirotuba assim como o bairro Boqueirão sofrem com a poluição sonora automotiva. Esperamos ver outros locais abandonados das cidades serem reocupados pelos cidadãos e que as cidades tornem-se humanas novamente.

Texto: Daniele Carneiro
Fotos: Daniele Carneiro e Juliano Rocha
contato@bibliotecasdobrasil.com

Leia mais:



  • Feira de Trocas de Brinquedos e Livros no Parque Gomm
  • Artigos sobre poluição sonora
  • Inauguração da Minibiblioteca do Sossego no Parque Gomm
  • segunda-feira, 13 de outubro de 2014

    Robin Williams e a depressão

    Nesse último agosto fiquei sabendo do suicídio do comediante Robin Williams, lembro que a notícia de sua morte me causou um grande impacto, pois a sua pessoa em entrevistas e quando atuava, demonstrava uma grande euforia e alegria. Mas a tristeza profunda também escolhe as mais sorridentes das almas.
    Após sua morte pesquisei sobre o que poderia ter levado um comediante a decidir que a vida perdeu o sentido, ou ainda, que a dor de acordar era maior que a tristeza do eterno dormir. Fiquei sabendo que ele conviveu a vida inteira com a depressão e junto com ela veio o excesso de drogas e bebida. Williams precisou ser internado para a reabilitação algumas vezes mas conseguiu manter a sobriedade durante mais de trinta anos, tendo uma recaída no começo dos anos 2000, mas manteve-se longe daquilo que só exacerbava sua tristeza após uma breve euforia.

    Continue a leitura do texto sobre Robins Williams e a depressão na nossa newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox #26, que foi enviada no último domingo. É só fazer a sua assinatura nesse link http://eepurl.com/R2rGf que você ganhará de presente 25 edições de nossa newsletter, além disso receberá toda semana a nova edição que enviamos todas as quartas-feiras.

    Texto e arte: Juliano Rocha
    Foto: Charles Haynes

    Leia mais:

    Bibliotecas do Brasil Inbox #26


    Na Newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox #26 tem: um relato sobre a nossa participação na Feira do Livro de Araucária, onde os nossos livros cartoneros foram recebidos com curiosidade e entusiasmo pelas alunas e alunos das escolas municipais da cidade. Na edição trazemos dicas para bibliotecas livres e comunitárias, uma sugestão do blog de página a ser seguida no Facebook, a agenda de eventos, o selinho da semana e dois textos inéditos dos editores do blog, Dani Carneiro e Juliano Rocha. O Juliano dedicou um texto intenso para falar sobre a morte do ator Robin Williams e refletir sobre a depressão, o uso de antidepressivos e locais onde as pessoas que pensam em suicídio podem conseguir ajuda. A Dani fez um texto sobre suas leituras inspiradoras,  sobre internalizar conquistas, sobre a importância em dar uma pausa em atividades que drenam as energias e a filosofia do "faça você mesmo". Venha conosco ler essa edição da newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox, que tem um conteúdo exclusivo, inédito e gratuito para assinantes semanalmente.

    O que é a Bibliotecas do Brasil Inbox?
    Toda semana, às quartas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez.
    Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora: http://eepurl.com/R2rGf

    Arte: Juliano Rocha - Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com
    Fotos: Austin KleonCharles Haynes

    domingo, 12 de outubro de 2014

    Bibliotecas do Brasil na Feira do Livro de Araucária


    Participamos da Feira do Livro de Araucária na sexta-feira (10/10/2014) e foi muito legal! Foi uma excelente oportunidade para mostrarmos para as pessoas que passaram pelo Ginársio Joval de Paula Souza o trabalho que estamos desenvolvendo há 3 meses com a Cartonera Bibliotecas do Brasil. Fomos muito bem recepcionados na Feira e nos sentimos bem-vindos. Passamos o dia todo por lá e conversamos com muita gente. Agradecemos imensamente pelo convite da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Araucária pela oportunidade de participarmos da 17ª Feira do Livro e do 2º Festival Literário pela segunda vez - estivemos lá em 2013 - e principalmente, pelo reconhecimento do nosso primeiro livro. Confira as fotos do evento:


    Essa aluna de Araucária ficou bastante interessada na Cartonera, e depois que fizemos uma fala para 42 alunos que estavam presentes na Feira do Livro, ela veio conversar com a gente e pediu uma nova explicação do que eram os livros cartoneros. Mostramos todos os detalhes para ela. Ela fez várias perguntas e saiu dali com muitas ideias para montar sua própria cartonera.


    As alunas da Escola Municipal Professora Terezinha Mariano Theobald participaram do bate-papo que fizemos para mostrar como são feitos os livros cartoneros e depois vieram até a nossa mesinha ver os livros de perto. Elas adoraram a capa com tinta cor de rosa, e disseram que irão fazer uma cartonera de poesias e desenhos na escola.


    Essa foi eleita a capa favorita de todas as meninas que passaram pela nossa mesa na Feira do Livro de Araucária. Elas ficaram apaixonadas pelas cores.



    Juliano Rocha, editor do blog e artista plástico faz a arte das capas das cartoneras. Nenhuma é igual à outra (apenas o conteúdo), e quando a pessoa compra uma cartonera, está adquirindo um livro exclusivo, com uma capa única que outra pessoa não terá igual.


    Luiz Gonzaga foi o nosso companheiro de Feira, a nossa mesa ficou bem ao lado dele.


    Cindy Carlos e Simone Nunes com o pequeno Lourenço olhando as cartoneras e os marcadores de página artesanais que fizemos especialmente para a Feira do Livro.



    As meninas nos pediram para explicar para elas como a gente faz os marcadores de página artesanais, e mostramos para elas como é simples fazer e como elas mesmas podem confeccioná-los escolhendo imagens que mais as agradam.




    Quando contamos para as crianças que os livros cartoneros são feitos de papelão, fruto de reciclagem,  a primeira reação era de surpresa - "Mas um livro tão bonito assim?" - elas perguntavam e ficavam impressionadas, e queriam saber que tipo de tinta poderiam usar, se poderiam fazer desenhos com lápis de cor e giz de cera e se os livros poderia ser de poesias. Um menino que veio nos visitar disse que já escreve, e quando dissemos para ele que agora ele poderia fazer tudo com as próprias mãos, desde o texto até a capa, ele saiu muito satisfeito dali, com a mente fervilhando. As professoras nos contaram que irão fazer um livro cartonero com as poesias que os alunos já criaram nas aulas, é muito bom ver essa ideia se espalhando entre professores e crianças.


    Esse boneco gigante do poeta Paulo Leminski fez sucesso entre as crianças. Os bonecos são uma tradição da cidade de São José dos Pinhais.


    O cartaz com as atrações do nosso livro cartonero.


    As crianças chegam na Feira do Livro de Araucária. É uma cena belíssima de ver! Elas não sabem para onde correr primeiro, é tanto livro, é tanta cor, é tanta informação, que parece que elas querem abraçar tudo ao mesmo tempo, sentir, tocar e mostrar para os colegas. As crianças são verdadeiramente apaixonadas pelos livros.



    O bonecão gigante do Paulo Leminski recebeu muitos cumprimentos, pois ficava bem no meio do corredor por onde as crianças entravam e todas se admiravam com ele.



    Cartoneras embaladas depois de serem compradas.


    Alguns detalhes internos.


    Edição especial para a feira do Livro de Araucária 2014.


    Alguns exemplares da Cartonera Bibliotecas do Brasil seguiram com novidades. Esse exemplar ganhou um bolsinho interno, um marcador de página artesanal e um cartão do blog Bibliotecas do Brasil.


    Esses foram os últimos detalhes que as cartoneras receberam antes de seguirem para a Feira do Livro de Araucária. Os livros cartoneros são feitos à mão. O papelão é pintado, depois é encadernado, costurado às páginas do conteúdo e embalados.


    Detalhes dos marcadores de página artesanais que a Dani faz com recortes de revista e caixas de papelão para vender na Feira do Livro de Araucária.


    A experiência de participar de uma feira literária é sempre engrandecedora pois conseguimos conversar com diversas pessoas que vivem em meio aos livros, seja como livreiros, escritores, professores e visitantes. Os contatos e novos projetos sempre surgem e servem para fortalecer essa batalha pela democratização do acesso à leitura. Caso queira nos convidar para uma feira literária ou evento cultural, é só entrar em contato conosco pelo e-mail contato@bibliotecasdobrasil.com

    Daniele Carneiro e Juliano Rocha
    Fotos: Bibliotecas do Brasil
    contato@bibliotecasdobrasil.com

    Leia mais: