Bibliotecas do Brasil e Magnolia Cartonera estão em TCC de graduação em Biblioteconomia

22.2.18

Lorisa Pinoveli, estudante de Biblioteconomia da Unifai, escreveu o TCC "Iniciativas Espontâneas de Acesso ao Livro"

A Lorisa Pinolevi é estudante de Biblioteconomia na Unifai - Centro Universitário Assunção em São Paulo, e teve seu Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Biblioteconomia para obtenção parcial do grau de Bacharel em Biblioteconomia com o título “Iniciativas Espontâneas de Acesso ao Livro”, onde ela expôs iniciativas de pessoas que não são bibliotecárias, pessoas sem formação em biblioteconomia e que fazem um trabalho relevante e humano e que desenvolvem e facilitam o acesso ao livro. Sua orientadora foi a Prof.ª Dra. Maria Cristina Palhares.
Lorisa reuniu em seu TCC iniciativas que partiram de pessoas não-bibliotecárias com o intuito de facilitar o acesso ao livro e ampliar a circulação de livros livres para a população. E nós achamos muito legal que ela tenha visto o nosso trabalho um material relevante para ser escolhido como assunto para seu projeto de conclusão de curso.

"Por meio deste trabalho conheci histórias, pessoas maravilhosas, que me inspiraram e que de alguma forma me deram fôlego para tentar permanecer e enxergar na profissão de biblioteconomia algo novo, a florescer".

Com o blog Bibliotecas do Brasil ao longo dos anos divulgamos projetos de incentivo à leitura, ações de partilha de livros e iniciativas de leitura que são justamente o tema do TCC da Lorisa, pessoas de várias origens, das mais variadas circunstâncias e caminhadas na vida, que entenderam que o incentivo à leitura é importante, colocaram as mãos na massa para fazer seus projetos serem disseminados, e trabalham há vários anos com a circulação de livros, projetos de incentivo e acesso à leitura, independente de terem educação formal ou diploma. 
Assim como o blog Bibliotecas está presente no TCC da Lorisa, há  menções à Magolia Cartonera, nossa editora artesanal e independente, aos nosso projetos de incentivo à leitura como a Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa e a Minibiblioteca do Sossego, e as várias bibliotecas livres que montamos através da iniciativa Leia, Empreste ou Devolva (todas iniciativas nossas). 
No TCC ela fala sobre brasileiros separados apenas pela localidade, mas unidos pelo mesmo propósito: promover o acesso ao livro, e conscientizar a sociedade sobre o papel importante que a leitura pode ter na construção da cidadania e reconstituição de sujeito. E que para isso acontecer, utilizam espaços alternativos como: viadutos, açougues, praças, paradas de ônibus, e muitos outros locais públicos, transformando-os em lugares propícios para os encontros entre as pessoas e o livro. Lorisa contou ao blog Bibliotecas do Brasil: 

“Apesar da existência de leis, e políticas públicas que garantem o acesso ao livro, ainda é possível notar a insuficiência de bibliotecas e o descaso com que as questões do livro e da leitura são tratadas no país. Tendo em vista esse panorama conturbado, o que os profissionais da área de biblioteconomia estariam fazendo em benefício da sociedade, no que diz respeito a parte mais humana da sua profissão, a prática social? A partir desse questionamento, comecei a procurar iniciativas de acesso ao livro que envolvessem bibliotecários, o que fez emergir outras pessoas, que não tinham como formação biblioteconomia, mas que se engajavam de forma muito preocupada em iniciativas espontâneas de acesso ao livro e incentivo à leitura”.


Lorisa procurou iniciativas com caráter espontâneo, que visam facilitar o acesso ao livro de forma livre, sem burocracia, sem multa e sem constrangimentos, em resposta ao modelo tradicional de biblioteca, mas também para suprir a falta delas, um modelo a ser enxergado com respeito e entusiasmo. Inspirada por essas iniciativas tão humanas me senti motivada a dar voz a essas pessoas, e por meio de conversas e aplicação de questionários qualitativos, pude conhecer melhor as iniciativas, as motivações, e implicações de desenvolver um trabalho tão autônomo visando ao outro.

Lorisa foi em busca de referencial teórico nas reflexões de autores como Jorge de Souza Araújo, Michele Petit, Ivana Aparecida Lins Gesteira, entre outros para discutir essa nova representação de acesso aos livros. Nos três capítulos de seu TCC, Lorisa percorre os caminhos da leitura, seu conceito, sua motivação e importância social. Ela fala sobre o acesso ao livro, sobre as dificuldades enfrentadas pela população em ter esse acesso, em familiarizar-se e apropriar-se de ser cidadão leitor. 
Ela também discorre em seu TCC sobre a definição do termo “iniciativas espontâneas de acesso ao livro”, mostra sua pesquisa sobre essas iniciativas, como elas alcançam as pessoas de forma natural, como envolvem as pessoas e promovem o encontro com a leitura de forma inesperada.

“A leitura é um ato político. Por isso, aqueles que formam leitores, professores, bibliotecários, pais, desempenham um papel político que poderá ou não estar comprometido com a transformação social, conforme o grau de consciência da força de produção e, ao mesmo tempo, do espaço da contradição presentes nas condições sociais de leitura, tendo que assumir uma constante luta dos questionamentos e das realidades em que os autores estão inseridos, sempre na perspectiva da melhoria da qualidade de vida”. (LIRA, 2010, p.112).

Sobre iniciativas espontâneas de acesso aos livros


Lorisa Pinoveli explica que, a começar pelo significado da palavra iniciativa, da qual entende-se por:



[...] ação daquele que é o primeiro a propor e/ou a realizar qualquer coisa; tomar a iniciativa de fazer algo; traço de caráter que leva alguém a empreender alguma coisa ou tomar decisões por conta própria; disposição natural; ânimo pronto e enérgico para conceber e executar antes que outros. (HOUAISS, 2009, p.1085)



"Uma iniciativa é espontânea, desenvolve-se de forma natural, movendo-se apenas pela vontade de executar algo. Nesse sentido, as iniciativas espontâneas que correspondem a uma ação desempenhada por pessoas comuns, que com recursos próprios disponibilizam livros de forma gratuita em espaços alternativos como: ruas, açougues e ônibus. Cada iniciativa emerge de uma poética pessoal, podendo ou não ser política, tomando ou não outros desdobramentos ao longo de seu percurso. Os espaços alternativos de leitura, são ambientes informais, criados por meio de iniciativa popular, nos quais é possível ter acesso ao livro de forma mais simples, menos burocrática, o que acaba se contrapondo ao espaço convencional de leitura, que são as bibliotecas públicas e escolares".

Lorisa conta mais: 


"Os espaços alternativos de leitura surgem em resposta a necessidade de informação da população, que sofre pela ausência de bibliotecas públicas nas mediações do bairro, ou não se identifica com o modelo tradicional da mesma. Se trata de ações que se iniciaram de forma colaborativa, solidária. Sendo assim, as iniciativas espontâneas de acesso ao livro apresentadas no TCC, visam demonstrar o quanto é importante apropriar-se da leitura, encantar-se com a literatura, e promover encontros, entre as pessoas e os livros, os espalhando pelo bairro, no banco da praça, na parada de ônibus, nas ruas e esquinas".


Blog Bibliotecas do Brasil






No TCC Lorisa fala sobre nosso trabalho, e esses são alguns dos trechos citados:

"O projeto Bibliotecas do Brasil foi criado em 2012, idealizado por Daniele Carneiro e Juliano Rocha, artistas e autores independentes, inicialmente sendo um blog que divulga gratuitamente iniciativas independentes de partilha de livros e bibliotecas comunitárias, ampliando o potencial de atuação das bibliotecas e valorização das pessoas que se conectam de forma autêntica e criativa com a sua comunidade leitora. O público alvo do blog não é o leitor final, e sim as pessoas interessadas em serem facilitadoras do acesso à leitura e disseminação da filosofia dos livros livres. Sempre buscando conscientizar a população do quanto a leitura é importante e que qualquer indivíduo pode ser um disseminador da leitura na própria comunidade sem depender de iniciativas governamentais".

Juliano e Daniele criadores do blog Bibliotecas do Brasil e da Magnolia Cartonera

"Há 5 anos o blog tem servido de inspiração e fonte de recursos gratuitos que Daniele e Juliano desenvolvem e disponibilizam para o aperfeiçoamento de diversas bibliotecas e iniciativas de incentivo à leitura, divulgação de projetos e iniciativas, grupo de partilha de livros e textos indispensáveis na área de direitos humanos.
Dentre as diversas iniciativas do projeto, uma que merece destaque é a Leia, Empreste ou Devolva, criada em 2013, que dá um apoio mais técnico para facilitar as iniciativas dos interessados em montar pequenas bibliotecas livres, disponibilizando gratuitamente recursos visuais prontos para impressão em cartazes, carimbos, adesivos ou qualquer outro material visual que a pessoa interessada possa utilizar em sua biblioteca comunitária. Esse material está disponível para download no blog Bibliotecas do Brasil, juntamente com um tutorial de auxílio para a criação de bibliotecas livres e orientações de funcionamento, dentre outras informações".


Bibliotecas Livres







"Eles também colocaram em funcionamento as próprias bibliotecas livres. Em 2014, foi criada a Biblioteca Comunitária Sitio Vanessa, na área rural de Morretes – PR, além da realização de eventos literários semestrais para mais de 60 crianças das escolas rurais residentes da região, proporcionando a elas um maior contato e incentivo à leitura, doação de livros, preservação do meio ambiente e a prática saudável de esportes.


Em 2014, no Parque Gomm em Curitiba, foi instalada a Minibiblioteca do Sossego, que é livre e autossustentável, feita com uma caixa de madeira e telhado de PVC, reciclados e pintados. Foi a primeira biblioteca livre a ser instalada em um parque público de Curitiba, estando acessível 24h por dia e 7 dias por semana, se mantendo com doações de livros dos próprios utilizadores da biblioteca, e seguindo a filosofia do Leia, Empreste ou Devolva.



Por meio do blog também pode ser feita a inscrição para receber Newsletters, com conteúdo exclusivo sobre bibliotecas livres, ações de incentivo à cultura e o mundo cultural, tutoriais, links, vídeos e notícias, buscando sempre divulgar iniciativas e inspirar novos entusiastas para a causa. 
Durante esse período de engajamento no desenvolvimento de bibliotecas livres, sendo na restauração de bibliotecas, arrecadação de livros, desenvolvimento de recursos gráficos e partilha de ideias, foram criadas bibliotecas nos seguintes locais: em um restaurante, em uma casa de massas, em 2 lojas de alimentos orgânicos, em uma barbearia, em uma loja de equipamentos para montanhismo, em um hotel, em uma feira de alimentos orgânicos, em uma praça, em um parque, em 5 cooperativas de reciclagem, em uma agência dos Correios, em terminais de ônibus, e também as já citadas Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa e Minibiblioteca do Sossego".


Nasce a Magnolia Cartonera





"Após todos esses anos de envolvimento em projetos e material produzido, Daniele e Juliano resolveram criar uma editora independente, a Magnolia Cartonera, visando publicar seus próprios livros de forma sustentável e acessível. Esses livros são feitos com capas de papelão reutilizados, costurados à mão e capas totalmente diferentes umas das outras, pois são pintadas individualmente pelo Juliano. Alguns dos títulos são: Ideias para Bibliotecas Livres: Um Manual Prático de Autogestão Independente (2015); Guia Prático para Bibliotecas Comunitárias (2016); Bibliotecas Mudam o Mundo (2016); Magnolia Zine (2017). O blog mantém um canal no YouTube mostrando todos os estágios de como os livros são feitos e conteúdo de informação sobre bibliotecas e novidades sobre o mundo da leitura".



Coleção de iniciativas espontâneas de acesso ao livro

Outras iniciativas espontâneas de acesso ao livro estão no TCC da Lorisa, como a biblioteca de doações ao ar livre de Giovanna Zambaldi Pampolin, conhecida como "a menina que doa livros" no Minhocão em São Paulo e Felipe Brandão do projeto "Esqueça um Livro", 
Estão presentes no TCC Lucas Rafael do projeto "Refresque Ideias - Geladeira do Livro", que usa geladeiras como bibliotecas móveis, como uma forma prática e sustentável de disseminar o hábito da leitura na comunidade e Luiz Amorim do Açougue Cultural T-Bone, que oferece livros à população sem a necessidade de cadastros, e que com o tempo e doações recebidas, se estendeu também para os pontos de ônibus com o projeto “Parada Cultural – Biblioteca Popular 24 horas”.
Além desses estão também no TCC, Robson Cesar Correia de Mendonça do projeto Bicicloteca que empresta livros para pessoas sem teto e em situação de vulnerabilidade social, sem a exigência de documentos e da devolução do livro - contando apenas com o combinado de que após a leitura o livro não poderá ser vendido ou descartado, deverá ser emprestado à outra pessoa ou devolvido. E Antônio do Livro do projeto "Cultura no ônibus", idealizado pelo cobrador de ônibus Antônio da Conceição Ferreira em 2003, biblioteca itinerante que tem como objetivo incentivar a leitura, a escrita, o entendimento, ampliar os lastros culturais e proporcionar o acesso ao livro em coletivos.

Agradecemos muito à Lorisa pelo carinho, pela generosidade em seu olhar sobre o nosso trabalho, pela partilha de conhecimentos tão valorosos que vão adicionar muito para a nossa caminhada. Parabéns pela sua graduação. Daqui enviamos um grande abraço. Obrigada Lorisa :D  
Quem quiser entrar em contato com ela para conversar sobre o TCC e assuntos relacionados esse é o email dela: lorisapinolevi@gmail.com

Matéria: Daniele - Bibliotecas do Brasil
Fotos: Lorisa Pinoveli
Fotos: Bibliotecas do Brasil 
Artes: Juliano Rocha

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe