As bibliotecas têm poder

16.1.15


Esse texto foi publicado na newsletter Bibliotecas do Brasil Inbox #22, enviada para nossos assinantes em 10/09/2014. Compartilhamos com nossos leitores para dar um gostinho do conteúdo semanal que enviamos, sempre com textos inéditos sobre diversos temas culturais, com um foco voltado para partilha de livros, bibliotecas atuantes, projetos de incentivo à leitura inspiradores e iniciativas para conhecer e acompanhar.
Toda semana, às quartas-feiras enviamos um e-mail com conteúdo novo e exclusivo para assinantes sobre o mundo das bibliotecas livres, iniciativas de incentivo à leitura e o mundo cultural. Sempre com uma visão pessoal do que encontramos pelo caminho ao divulgar e conhecer essas pessoas que estão mudando o mundo, uma biblioteca livre de cada vez. Assine gratuitamente nesse link e já receba de brinde todas as edições que enviamos até agora:

"As bibliotecas têm poder" por Juliano Rocha

Uma biblioteca atuante é um ponto que emana cultura no local onde ela se situa, possui o potencial de alterar a comunidade em que está inserida ao oferecer conhecimento gratuito e acessível para pessoas de todas as classes sociais e idades. E exatamente por possuir esse poder de mudança, elas possuem responsabilidades para com as pessoas e o local onde foram construídas, pois como diria o tio do Homem-Aranha: “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”.

Toda biblioteca, seja ela pública ou particular, deve acolher a comunidade em volta sem discriminar quem possui ou não carteirinha. As bibliotecas devem abrir seu acervo para consulta local de forma acessível para todos aqueles de decidiram dedicar uma parte de seu dia para adquirir conhecimento. Bibliotecas que proíbem a entrada daqueles que não possuem a carteirinha, ou bibliotecas particulares que não permitem sequer o acesso ao seu interior não compreenderam a responsabilidade que possuem como prédios destinados ao bem comum.
A ideia por trás de se construir um local com o maior número possível de conhecimento produzidos pela humanidade é o de justamente preservar essas informações, e a informação só está viva quando é transmitida. As portas das bibliotecas devem estar sempre abertas para as pessoas mais diversas, para cumprir seu papel social de transmitir o conhecimento e dar acesso à informação e à leitura. A biblioteca não pode diferenciar quem pode ou não ter acesso ao seu conteúdo, justamente por ser um ponto para a transmissão do conhecimento que permite o aprimoramento pessoal, deve ser acessível para pessoas de qualquer classe social que possuam ou não deficiência.

Bibliotecas devem também ser pontos de inclusão social, ao permitir o acesso à informação não só impressa, mas à informação online. Ao permitir que pessoas que não possuem acesso à internet, possam fazer pesquisas de vagas de emprego, elaborarem seus currículos, pesquisem por importantes informações de saúde e direitos que possuem. A internet deve fazer parte dos serviços oferecidos para todos, usuários cadastrados ou visitantes, dentro do prédio das bibliotecas que possuem as condições financeiras de oferecer tal necessidade nos dias de hoje.
Uma biblioteca não pode ser apenas um depósito de livros, estática, sem movimento, tem que abraçar a comunidade em seu entorno e tornar-se um local aconchegante e acolhedor para todos, cumprindo seu papel social e permitir que qualquer um possa ter em mãos as ferramentas necessárias para evoluir e mudar a realidade em que se encontra.

Texto: Juliano Rocha e Daniele Carneiro - Creative Commons

Nosso livro sobre e para bibliotecas comunitárias: Guia Prático para Bibliotecas Comunitárias

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe