O espírito do voluntariado

29.3.14


Quem doa sangue nos Estados Unidos? Quem lidera os grupos de escoteiros? Quem canta cânticos nos hospitais durante o Natal? Quem apaga incêndios e resgata pessoas em emergências médicas? São voluntários, tão inseridos na vida americana que muitas vezes passam despercebidos. Esta edição de eJournalUSA é dedicada aos cidadãos anônimos que coletivamente contribuem com cerca de US$ 173 bilhões por ano com seu trabalho não remunerado. Eles fazem parte de uma tradição de voluntariado com raízes profundas na sociedade americana. O combate a incêndios foi uma das primeiras formas de voluntariado introduzida por Benjamin Franklin na Filadélfia em 1736. Essa ideia inovadora espalhou-se rapidamente, e em poucos anos as cidades de ponta a ponta da costa leste da América do Norte orgulhavam-se de contar com corpos de bombeiros voluntários.


A tradição do trabalho voluntário floresce hoje em comunidades grandes e pequenas e em uma multiplicidade de formas, à medida que a internet abre novas perspectivas para o voluntariado, permitindo que as pessoas ajudem o outro sem sair de casa. Essa tradição está incorporada em profissionais de saúde que prestam serviço em áreas devastadas por desastres naturais, pelos “avôs” de Alexandria, na Virgínia, que orientam meninos que crescem sem pai, e por voluntários que ajudam refugiados de terras distantes a construir uma vida nova em cidades dos EUA. O Espírito do Voluntariado conta as histórias dessas pessoas e das que se beneficiam com seu trabalho.

Quase 63 milhões de americanos dedicaram mais de 8 bilhões de horas ao voluntariado em 2010. O valor do tempo prestado pelos voluntários foi de US$ 173 bilhões, segundo a Corporação para o Serviço Nacional e Comunitário, agência federal que lidera a iniciativa “Unidos Servimos” do presidente Obama. As formas de voluntariado mais amplamente praticadas foram:

• Captação de recursos para organizações filantrópicas e sem fins lucrativos—26,5%

• Preparação e distribuição de alimentos—23,5%

• Trabalho em geral e transporte—20,3% Exemplos: projetos de limpeza de bairros, trabalho

administrativo para organizações sem fins lucrativos e transporte para idosos.

• Monitoramento—18,5%

• Mentoreamento de jovens—17%

Pessoas nascidas entre 1965 e 1981, a chamada Geração X, dedicaram 2,3 bilhões de horas ao serviço voluntário em 2010, aumento de cerca de 110 milhões de horas em comparação a 2009.
Muitos voluntários da Geração X usam suas habilidades digitais para ajudar organizações no mundo todo—sem sair de casa. O serviço Voluntariado On-line das Nações Unidas (UNV), criado em 2000, tem mais de 20 mil voluntários cadastrados que realizaram, 15.109 tarefas em 2010. Alguns voluntários on-line ajudaram a desenvolver muitas das 2 mil ONGs registradas no UNV.


Leia mais:

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe