Bibliolésbica - Bibliotecárias lésbicas marcham na Parada do Orgulho LGBT

1.7.17

Foto: Irma Pince no Facebook
Para motivar bibliotecárias e bibliotecários LGBTQ: bibliotecárias lésbicas estiveram presentes na Parada do Orgulho LGBT em Nova York. A camiseta maravilhosa da foto tem a palavra "lesbrarian" e mistura as palavras lesbian + librarian (lésbica + bibliotecária), que pode ser bibliolésbica ou lésbicatecária, você escolhe. O Lesbian Herstory Archives é o lar da maior coleção mundial de materiais sobre lésbicas e para lésbicas e suas comunidades. 

Temos algo parecido no Brasil? Uma área de alguma biblioteca dedicada a conteúdos voltados para lésbicas ou escritos e criados por lésbicas? Existem serviços, programações, eventos e ações para lésbicas em alguma biblioteca brasileira?

É uma motivação incrível ver bibliotecárias e bibliotecários participando das Paradas do Orgulho LGBT pelo mundo. Se você é uma bibliotecária lésbica e quiser partilhar conosco o seu trabalho e luta, entre em contato com o blog Bibliotecas do Brasil pelo email contato@bibliotecasdobrasil.com
O convite também é para bibliotecas que já estejam realizando eventos, dedicando acervo, programação, leituras, serviços  e ações voltadas para lésbicas. Nós queremos conhecer essas ações e mostrá-las no blog.

Bibliotecárias lésbicas que representaram os grupos de resistência abrem a Parada do Orgulho LGBT de Nova York deste ano (2017). Foto: Lesbian Herstory Archives

Em memória das vozes que perdemos. Nova York, 2017.
 Foto: Lesbian Herstory Archives


Bibliotecárias e Bibliotecários LGBTQ 

A Biblioteca Pública de Los Angeles, na Califórnia anunciou que em 2017, a Parada do Orgulho LGBT iria incluir um 'Grand Lesbrarian', uma bibliotecária lésbica que iria liderar o contingente LGBT da biblioteca na Parada do Orgulho Gay. Pela primeira vez a biblioteca se reuniu para participar oficialmente do evento, que já existe há 45 anos.
A antiga bibliotecária da LAPL, ativista desde os anos 70, Carolyn Weathers foi escolhida para ser a porta-voz da biblioteca na Marcha do Orgulho LGBT. Os organizadores da Biblioteca Pública de Los Angeles disseram que 100 funcionários do espaço de leitura de todos os níveis participaram da marcha. Alguns dos funcionários que marcharam se identificam como LGBT, enquanto outros são apoiadores dos serviços culturalmente específicos que a biblioteca oferece aos frequentadores da biblioteca que são gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e queers.

Time de bibliotecárias e bibliotecários da Los Angeles Public Library (LAPL) prontos para participar da Parada do Orgulho LGBT de 2017. Foto: Twitter da LAPL


No dia 14 de junho de 2017, o Comitê de Serviços LGBT da Biblioteca Pública de Los Angeles liderou o primeiro contingente oficial de funcionários da biblioteca, amigos e familiares para marchar na Parada do Orgulho LGBT, uma celebração às pessoas, à diversidade e principalmente atuante na luta pelos seus direitos e contra as formas de opressão, violência e preconceito como a lesbofobia e bifobia. O grupo de 100 funcionárias e funcionários com suas camisetas nas cores da bandeira do orgulho LGBT, formou um arco-íris humano marchando pela ruas. 


A ativista Carolyn Weathers em uma Book Bike na Parada do Orgulho LGBT de Los Angeles, 2017. Foto: LAPL Book Bike


A ativista Carolyn Weathers foi escolhida para ser a porta-voz da Biblioteca Pública de Los Angeles na Marcha do Orgulho LGBT. Ela desfilou em uma bicicleta do projeto "LAPL Book Bike" que são bicicletas da biblioteca de Los Angeles transformadas em minibibliotecas, que doam livros gratuitos e fazem carteirinhas da biblioteca na hora, pelas ruas e espaços públicos da cidade. 

"Queremos que as pessoas saibam que a biblioteca é um lugar onde são bem-vindas. É o lugar onde elas podem obter as informações que precisam de forma segura e sem julgamento", disse Xochitl Oliva, bibliotecária de digitalização e co-presidente do comitê de serviços LGBT da Biblioteca Pública de Los Angeles.

Outra funcionária da biblioteca, Oliva, que se identifica como lésbica, diz que os bibliotecários sempre foram progressistas e realmente estão à frente do jogo.

"Estamos realmente avançando, e esta geração de bibliotecários é muito mais progressista e muito mais inclusiva do que profissionais em outros campos", disse Oliva a Fusion.
Lésbicas Contra os Nazis e Ku Klux Klan. Anos 70. Nova York | Lesbian Herstory Archives
Foto do Instagram de 99machinders

No Instagram as bibliotecárias lésbicas usam as hashtags #lesbrarian ou #lesbrarians para partilhar suas fotos, seu trabalho, suas vidas, sua luta, sua resistência e seu orgulho.




Pesquisa, tradução e matéria: Daniele Carneiro - Bibliotecas do Brasil | Magnolia Cartonera
Fotos com créditos dos sites de origem em cada uma delas
contato@bibliotecasdobrasil.com
Inscreva-se para receber a Newsletter Expresso (gratuita e semanal)

VocÊ pode gostar também

0 comentários

Subscribe